Pastorais de 2013:

 

Dia 08/12/2013

VOCÊ SABIA QUE DIA É HOJE?

Neste domingo comemoramos o Dia da Bíblia. Não é bem uma data religiosa ou dia sagrado. Não é esse o objetivo! Não é um dia para “cultuar” a Bíblia, pois ela não é objeto de nossa adoração. Aliás, nosso objetivo é não ter nenhum nesse sentido. Não veneramos qualquer tipo de objeto ou apetrecho que religioso. Não cremos que objetos, mesmo a Bíblia, possuam esse poder.

Dito isto, podemos voltar a nossa atenção para o que efetivamente essa data representa para nós, cristãos. É dia de valorizarmos prática da leitura da Palavra de Deus, de voltarmos nossas atenções para o que ela pode nos oferecer. É dia em que agradecemos a Deus pela existência de Sua Palavra e renovamos o nosso compromisso de fazermos dela regra de fé e prática para nossas vidas.

A primeira referência conhecida ao Dia da Bíblia data de 1549, onde na Grã-Bretanha, o Bispo Cranmer, incluiu no livro de orações do Rei Eduardo VI um dia especial para que a população intercedesse em favor da leitura da Palavra de Deus. No Brasil, o Dia da Bíblia passou a ser celebrado em 1850, época em que a liberdade religiosa era muito restrita, com a chegada, dos primeiros missionários evangélicos da Europa e da América que aqui vieram semear a Palavra de Deus. Foi uma das primeiras iniciativas da Sociedade Bíblica do Brasil, fundada em 1948, que em dezembro deste mesmo ano, fez uma das primeiras manifestações públicas do ‘Dia da Bíblia’, em São Paulo, no Monumento do Ipiranga.

A Bíblia é o livro mais lido, crido e vendido no mundo; talvez seja também o criticado, contestado e perseguido. A Bíblia realmente é diferente de qualquer outro livro.

Mas para nós, cristãos, o que a Bíblia representa? Deixemos que ela mesma nos ensine, sem maiores interferências:

2 Timóteo 3:16-17: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra.”

1 Pedro 1.26,27: “Porque Toda a carne é como a erva, e toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor; mas a palavra do Senhor permanece para sempre”.

Hebreus 4.12: “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração”.

Deus te abençoe, aproveite este dia!

Pr. Marcelo Alves Moraes
Dia 24/11/2013

DESVIOS APENAS PARA NÓS

Quando o faraó deixou sair o povo, Deus não o guiou pela rota da terra dos filisteus, embora este fosse o caminho mais curto, pois disse: “Se eles se defrontarem com a guerra, talvez se arrependam e voltem para o Egito”. Êxodo 13:17

O Êxodo pode ser considerado o momento histórico mais importante do povo de Israel. Uma multidão de cerca de 2 milhões de pessoas saindo do Egito e deixando para traz uma história de dor e escravidão. Uma caminhada repleta de sonhos e esperanças, em direção a uma nova terra, com a conquista de uma nova identidade e alicerçados em um relacionamento com Deus.

Mas essa mudança, como qualquer outra, trouxe consigo novos obstáculos. Os caminhos planejados inicialmente precisaram ser revistos e isso também acontece conosco. Uma viagem cujo caminho era conhecido e que deve ter sido passado de geração em geração, desde que Jacó faz a viagem fugindo da fome em sua terra, não duraria apenas alguns meses. Levaria muito mais tempo! O desvio desanimaria qualquer peregrino. Com um mar à frente e caminhos desconhecidos adiante, havia ainda o temor dos exércitos de Faraó, que poderiam encurralar a todos. E como toda essa situação é vista aos olhos de Deus? O desvio era parte de Seus planos! O texto diz que aquele desvio, por mais desagradável que fosse, tinha o objetivo de fazer com que o povo não voltasse atrás!

Deus é Soberano e Senhor sobre cada detalhe de nossas vidas. Conhece nossas limitações e enxerga adiante de nós. Quantas vezes tivemos o nosso coração quebrantado e a nossa fé restaurada justamente por causa dos desvios que Deus, em Seu amor, impôs às nossas vidas?

E mais, quantas vezes nós só não retornamos porque estávamos literalmente encurralados, entre o mar e nossos inimigos? Mas a nossa situação hoje atesta que Deus estava presente em tais circunstâncias, exigindo que nós continuássemos a marcha! Quando lemos o texto, percebemos que após a dor inicial, todos ficaram extasiados com a visão do mar se abrindo e com a revelação dos planos de Deus. Deus foi exaltado sobremaneira.

Esse é o Deus que cuida de sua vida. Saiba que Deus planejou os desvios que estão diante de sua vida nesse momento com a finalidade de preservá-la, com a finalidade de amadurecer a sua fé. Então confie Nele e continue trilhando os passos de acordo com a Sua orientação. Ele conhece o caminho. Paz!

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia 15/09/2013

MISSÕES! OUTRA VEZ!

E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto; Porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito. Efésios 2:17,18 O título dessa pastoral pode parecer uma crítica, mas é exatamente o contrário. Nada sólido é construído sem perseverança e disciplina. Seja numa história de vida digna de ser compartilhada ou na construção de grandes projetos, a dedicação, o empenho e a abnegação devem estar presentes.

Esse é um dos ensinamentos contidos na admoestação de nosso Senhor Jesus, em “tomar a cada dia a nossa cruz”. Mesma lição encontramos no Salmo 126:6: “Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos”.

Há ainda outro motivo para mais uma campanha missionária, esse de caráter prático: olhe suas contas! Elas não vêm todos os meses? Perceba as suas necessidades! Elas não continuam se renovando e sendo supridas à medida que vivemos? Agora volte suas atenções às palavras do apóstolo Paulo aos romanos:

“Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.” Rom 10:13-15

Quando enviamos um missionário ao campo, reconhecemos diante de Deus o seu chamado e a necessidade que o campo tem de conhecer o evangelho. Quando deixamos de contribuir, é como se estivéssemos lançando mão do arado e tornando atrás. Pense nisso em Cristo.

Pr. Marcelo Alves Moraes

Dia 25/08/2013

QUEM É VOCÊ

Quem é você? Passamos a vida inteira indo à igreja, assistindo a cultos e ouvindo mensagens. Ficamos habituados a rotina, e presos ao domingo para a vida cristã. Você já parou pra pensar nisso? Segue algumas estatísticas para te ajudar a pensar:

O seu dia tem 24h, ou seja, 1440 minutos. Se você oferece a Deus os últimos 10 minutos, fazendo uma oração singela pela sua vida e seus afazeres, isso significa que você deu, aproximadamente, 1% do seu dia a Deus.
Um culto tem no máximo duas horas, em minutos temos 120. Se você presta atenção ao louvor, que dura em média 20 minutos e aos avisos iniciais, tem uma média de 30 minutos de atenção. Se você ignora a mensagem pregada e outros testemunhos, isso significa que você dá 20% de atenção a Deus em um culto.

Suponhamos que domingo seja o dia que você oferece a Deus e esteja com disposição para ir à igreja louvá-lo e aprender um pouco da Palavra. Se você é cristão apenas no domingo, isso significa, numa semana de sete dias, que você é cristão apenas em 13% dos dias da semana.

Por último, ainda considerando que você tenha dedicado todos os domingos a Deus – em um ano com 365 dias, ou seja, 52 domingos – significa que você foi cristão apenas 12% do ano!

Todos sabemos que não há como ser cristão apenas em um dia. Essas contas levam em conta apenas um lado prático da vida cristã, mas dizem muito do nosso comportamento com Deus.

Você refletiu em sua vida? Suas práticas, desejos e pensamentos? É hora de decidir seguir a Cristo! Lembre-se que Jesus disse: “E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo. Lucas 14:27”. Quem é você?

Seminarista André Souza

 

Dia 23/06/2013

SE JESUS ESTIVESSE FISICAMENTE ENTRE NÓS, POR ONDE
ELE TERIA ANDADO ESTA SEMANA!

“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos”

Está é uma pergunta para refletirmos mesmo! Esta semana, de forma surpreendente, o Brasil, especialmente a sua juventude invadiu as ruas de capitais e cidades menores para manifestar sua indignação. Sem foco, é verdade, pedia-se de tudo. Mas com voz, uma voz que não ecoa com tamanha intensidade há pelo menos duas décadas.

Todo esse rebuliço, que por vezes me obrigou a sair mais cedo do trabalho ou a chegar bem mais tarde em casa, me abençoou com uma visão mais ampla deste versículo.

Ter fome e sede de justiça é mais do que esperar por ela, é também buscá-la e trabalhar para que ela se concretize em nossa sociedade. Mesmo antes dos movimentos, qualquer governo ou entidade social, inclusive a igreja, já tinha uma ideia de que “a gente não quer só comida, direção e arte”.

Mas não havia voz clamando por essa justiça! Por isso há duas semanas atrás, todos pensavam que o povo brasileiro era o povo mais bobo do mundo. Agora o povo tá na rua, com todas as câmeras voltadas para o nosso país, e a nojenta classe política brasileira está escondida. Há duas semanas atrás, tinham certeza da impunidade … agora pelo menos estão com medo.

Quanto à falta de foco, preocupa e por meio dela os idiotas se promovem, um exemplo disso são as depredações, especialmente ao patrimônio privado, de quem é tão vítima quanto os manifestantes. A necessidade de foco, me lembra de Jesus quando viu homens e mulheres e as comparou com ovelhas sem pastor. Manifestante, fique tranquilo! Não seguirei o exemplo de nossos partidos políticos, não tentarei puxar a sardinha para a Igreja. Não precisa queimar nossa bandeira também. Esse é um movimento seu! Sei disso!

Então onde focar os esforços? Nas próximas eleições! Lembre-se de que você mesmo colocou esses homens e mulheres, em sua maioria desprezíveis, no poder.

A ida à ruas mudou muitas mentes, a minha também, por causa de vocês jovens, estou disposto até a voltar a votar, coisa que não faço há 16 anos. Fica o clamor: continuem as mudanças, não elejam as mesmas pessoas de sempre. Socorram os menos esperançosos como eu! Precisamos de opções de voto! Estamos desesperados por isso!

Os tempos, para o bem de todos, são democráticos. Podemos ir as ruas contestar. Vi, em fotos, admito, muita gente querida, que conheço e respeito, nas ruas. Jovens ovelhas, pastores, amigos antigos e por aí vai. Creio que eles responderam minha pergunta inicial, sem foco, mas com voz.

Meu Jesus, de sandálias, percorreu cidades e vilarejos, clamando às ruas, misturado entre as multidões. Me permita dizer que acho que Ele estaria nas ruas, clamando contra a injustiça desse país.

Eu não estava nas ruas, mas creio que Ele, o Senhor, estava com Seus Filhos que estão clamando, com fome e sede de justiça. Já os grandes pregadores, líderes, políticos, ativistas ou religiosos … ninguém sabe por onde andaram nestes dias! Que Deus os leve por uns tempos e que eles reflitam no que têm feito! Paz!

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia 21/04/2013

TEMPOS DE COLHEITA!

Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto. João 12:24.

De onde vem a vida da Igreja do Senhor? Qual a razão de seu crescimento? Muitas respostas podem ser ensaiadas para esta pergunta, mas a teologia bíblica traz uma resposta: a vida da igreja vem do sacrifício, e por que não dizer mais claramente, da morte de seus membros.

Confesso que chega a ser desconfortável pensar nessa realidade. Paulo usa uma palavra para defini-la: constrangedor. Foi exatamente o que ele disse: “Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram”.

Antes de lamentarmos esse fato, olhemos para o primeiro dos sacrifícios, a primeira das mortes da Igreja: a morte do Senhor Jesus. Sem pecado ou culpa, ele se sacrifica por nós. Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho … por sua morte obtivemos vida. E de onde vem essa garantia de vida? Vem do fato de que a história de jesus não termina com a sua morte, mas com a sua ressurreição!

Deus aceita o sacrifício de Jesus e substitui a sua morte pela vida, ressuscitando-o dentre os mortos. Deus aceita o Seu sacrifício e estende a vida a todos aqueles que morrem em Cristo: “Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição;” (Rom 6:5)

Morte e Vida! Quem morre? Nossa individualidade, nossa rebeldia, nosso pecado! Quem vive? Nosso Espírito, perdoado, purificado, redimido, recriado. Cumpre-se em Cristo, na vida dos que morrem Nele, o propósito de Deus de criar o homem para a Sua Glória.

Assim a busca de Deus por verdadeiros adoradores é frutífera, graças a morte do grão, morto em Cristo, semeado e germinado Nele. Nele frutificando. Que esta seja a história de sua vida! Graça e Paz!

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia 07/04/2013

ARMAS ESPIRITUAIS NA DEFESA DA FÉ

Está escrito: ‘E ele foi contado com os transgressores’; e eu lhes digo que isso precisa cumprir-se em mim. Sim, o que está escrito a meu respeito está para se cumprir”. Os discípulos disseram: “Vê, Senhor, aqui estão duas espadas”. “É o suficiente!”, respondeu ele. Lucas 22:37-38

 

Jesus conhecia bem “o que estava a se cumprir a seu respeito”. Como havia sido predito pelo profeta Isaías séculos antes, o nosso senhor seria contado entre os transgressores (Is 53). O que estava para se cumprir sobre o Filho bendito de Deus era sua morte na cruz. E entre dois criminosos! Ali estariam os “transgressores”.

A rejeição de Jesus já havia começado antes, assim que a sua fama começou a incomodar os líderes religiosos de seu tempo. Suas mensagens, comprometidas apenas com o Seu Pai, puseram ainda mais lenha na fogueira: aos fariseus, a acusação foi a de hipocrisia; noutro momento foi ainda mais duro – “Vós sois do diabo, que é vosso pai”; aos seus discípulos em contexto semelhante disse: Quereis vós ir também?. Sua perseguição, ou melhor, rejeição (nada mais humano!) estava caminhando a passos largos para um triste fim.

Seus discípulos enfrentariam oposição semelhante. Todo o capítulo 16 do evangelho de João é dedicado aos ensinos de Jesus sobre esta realidade. Mas havia, pelo menos naquele momento, algo em que o Senhor estava inteiramente só. Jesus estava preparado para que tudo o que “estava escrito a seu respeito se cumprisse”. Estava pronto para ir à morte.
Os discípulos ainda não! Cogitavam inclusive lutar para se proteger. Aliás, Pedro desembainhou a espada e partiu para cima dos opositores de Jesus. Não podemos negar isso! É fato que eles entenderam literalmente as palavras de Jesus sobre a espada. Jesus estava sinalizando sim tempos penosos, mas não empreenderia esta luta. A prova disso é que o servo do Sumo Sacerdote volta para a sua casa naquela noite com a orelha no lugar. Só Jesus mesmo!

Talvez tenhamos que buscar na edição “Revista e Atualizada” da Bíblia uma melhor tradução para a resposta de Cristo: “Basta!”. Sua resposta soa mais com um “fim de papo!” do que com um “serve”. Uma boa tradução seria: “Chega desse papo!”.

Certamente, Jesus não iria pelo caminho da luta armada, mas também não fugiria do seu destino. Muitos seguiram o seu exemplo ao longo da história. Martim Luther King foi um deles.

No Brasil, vivemos, ainda, tempos de relativa paz para o cristianismo. A violência urbana em nosso país não possui raízes étnicas ou religiosas. Nossos problemas nessa área ainda não motivados por fatores sociais.

Mas, infelizmente, esse cenário tem mudado e essa condição de perseguição pode nos alcançar mais rápido do que imaginamos. Como nos defenderemos quando este dia chegar? Que façamos como Jesus: não com armas ou confrontos, mas com a fé que tem poder “para apagar todos os dardos inflamados do maligno”. Fico a me perguntar: Será que temos confiado nas armas espirituais ou estamos nos valendo dos mesmos recursos que este mundo dispõe para atacar o evangelho? Se optarmos pela segunda alternativa, perderemos diversas batalhas. Que Deus te fortaleça!

Graça e Paz! Marcelo Alves Moraes

Dia 17/02/2013

TODO ENCONTRO COM DEUS TERMINA EM ADORAÇÃO

Mas, logo depois o rei Nabucodonosor, alarmado, levantou-se e perguntou aos seus conselheiros: “Não foram três homens amarrados que nós atiramos no fogo? ” Eles responderam: “Sim, ó rei”. E o rei exclamou: “Olhem! Estou vendo quatro homens, desamarrados e ilesos, andando pelo fogo, e o quarto se parece com um filho dos deuses”. Daniel 3:24-25

Costumamos ler esse texto prestando atenção na surpresa de Nabucodonosor ao ver seus condenados passeando dentro da fornalha, mas é ainda mais extraordinário pensar na gloriosa experiência dos três servos de Deus: Chamas a volta, uma temperatura tão alta que seria capaz de derreter o metal (algo em torno de 1200oC), e repentinamente suas cordas são rompidas, mas não é o fogo … Este estranhamente não queima. A despeito da temperatura altíssima, os servos de Deus estão confortáveis naquele lugar e quando olham para as suas roupas … elas não estão queimando. Nem elas e nem um fio de cabelo dos três!

Surpresos eles se levantam e olham uns para os outros sem saber o que está acontecendo. Trocam olhares atônitos e … outra surpresa! Não são três! São quatro ali dentro! E o quarto homem dispensa apresentações, pois todos os que o encontraram ao longo da história foram impactados por sua santidade e majestade. Além disso, esse homem mesmo sem palavras fala-lhe aos corações. Eles sabiam que era Deus com eles.

Diante de Deus, aquele momento terminou em adoração. Os servos passeavam ali dentro contemplando a majestade do “quarto homem” da fornalha, cujo aspecto era semelhante “ao Filho de Deus”. Havia adoração ali e a atmosfera de adoração surpreendia os de fora que no início os queriam mortos, mas agora temerosos os chamavam. Para os de dentro seria uma pena sair dali, pois aquela experiência ficaria gravada pelo resto de suas vidas. Sair, infelizmente, era necessário … que assim seja a nossa adoração ao Senhor.

Marcelo Alves Moraes, 23/10/2012

Dia 20/01/2013

A DOR DE PERDER UM FILHO

“Mas os Filhos do Reino serão lançados para fora, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes.” (Mt 8:12)
Quando li este versículo considerando o seu contexto, me compadeci muito. Um centurião romano era alguém sem vínculo com o judaísmo. Ele não tinha, a princípio, nada a ver com as promessas dadas por Deus a Abraão e a sua descendência, ou melhor, ao seu descendente. Não fazia parte, mais uma vez reforço, a princípio, do povo de Deus. Não possuía herança em Israel.

Acontece que foi justamente nesse homem que o Senhor Jesus encontrou a fé que esperava encontrar no Seu povo: “Digo-lhes a verdade, não encontrei em Israel ninguém com tamanha fé. Eu lhes digo que muitos virão do Oriente e do Ocidente, e se sentarão à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no Reino dos Céus”.

Até então você pode estar se perguntando: Porquê se compadecer? O centurião teve o seu servo curado! Sua fé, esta foi honrada por Jesus. O ensino aqui, conforta nossos corações, pois lembramos que também podemos ter acesso ao mesmo Deus por mesmo da mesma fé do centurião: A fé em Jesus!

Mas o Deus que nos alcançou com o Seu amor é aquele que a Si mesmo se comparar com um pastor que não deseja que nenhuma de suas ovelhas se perca. E o versículo transcrito acima nos leva à imagem de um pai que chora a perda de seu filho, tragado pelas trevas por conta de suas más escolhas. Esse era o retrato de Israel. E Deus jamais quis que este retrato fosse pintado. É como a dolorosa imagem de um acidente, definiti- vamente marcada no coração daqueles que perderam desta forma entes queridos.

Quem passou por tal situação e não daria tudo para poder voltar atrás e fazer uma história diferente? Viver de maneira a impedir nova pintura desse triste retrato. Infelizmente isso não é possível! Podemos, em Deus, ver novas histórias sendo contadas, mas as antigas, mesmo que perdoadas, subsistirão com suas consequências.

Essa é a dor de Deus quando um ser humano, chamado por Seu amor e criado para um relacionamento com Ele perde a sua fé. E em Seu Amor por você, Deus registrou essa história em sua Palavra por uma razão: para que você não pinte também um triste retrato com a sua vida. Sua vida é preciosa demais para isso. Graça e Paz.

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia 06/01/2013

NÃO TERIA FOTO NO SITE DA MATERNIDADE!

“é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos servirá de sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura. E, subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo:”(Lc 2:11-13)

Atualmente, quando uma criança nasce, mesmo em um hospital do governo, logo é colocada no site do hospital a foto do bebê. Acho isso lindo! Mas não dá para deixar de pensar que se o filho de Deus tivesse nascido hoje não teria tido sequer esta foto. O parto não teria acontecido em um hospital.

Mesmo sem foto certamente haveria um registro. Não sei se seria no facebook, mas sei que o essencial ficaria registrado para que a história do Natal pudesse ser contada às gerações seguintes. Foi exatamente isso que Lucas pretendia quando escreveu este precioso texto da Palavra de Deus. Ele queria nos ensinar o essencial sobre o nascimento de Jesus. E o que podemos aprender de suas palavras?

Primeiramente, o Natal de Cristo não é uma lenda. É um fato histórico: tem local, personagens e testemunhas – “é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador”.

Alem disso, essa criança veio por todos nós. Ela veio para nos salvar. Ela cresceu, se revelou como sendo o Filho de próprio Deus, proclamou a Sua vontade aos homens e morreu na cruz pelos nossos pecados, abrindo-nos o caminho para que pudéssemos viver uma nova vida.

Por fim, lembre-se que o próprio Deus festejou o nascimento dessa criança. Quando Jesus nasceu os pastores viram uma multidão de anjos cantando Hinos de Louvor a Deus por contemplarem a maravilha que ele havia feito no meio dos homens.

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia 25/11/2012:

NÃO DESISTA DE PESSOAS PELAS QUAIS CRISTO MORREU!

“E dizia esta parábola: Um certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha, e foi procurar nela fruto, não o achando; E disse ao vinhateiro: Eis que há três anos venho procurar fruto nesta figueira, e não o acho. Corta-a; por que ocupa ainda a terra inutilmente? E, respondendo ele, disse-lhe: Senhor, deixa-a este ano, até que eu a escave e a esterque; E, se der fruto, ficará e, se não, depois a mandarás cortar.” Lucas 13:6-9

Essa parábola do Senhor Jesus não pode ser lida sem levarmos em consideração os primeiros versos do capítulo 13 do evangelho de Lucas, onde Jesus fala sobre 18 pessoas que haviam morrido na queda de uma torre.

A ponderação do Senhor Jesus é: os que morreram são tão pecadores quanto os que estão vivos e se não houver arrependimento, todos igualmente perecerão (leia o verso5).

Logo depois deste ensinamento o Senhor ensina aos seus discípulos por meio de uma parábola que enquanto houver vida, devemos investir nas pessoas buscando que elas se arrependam e se entreguem a Cristo.

Assim como o vinhateiro, que deveria adubar e cuidar da figueira que não dava frutos, insistindo para que ela cumprisse o seu propósito, devemos proclamar o amor de Deus a todos aqueles que o Senhor colocar diante de nós, mesmo os que já ouviram incontáveis vezes de nossa boca as Palavras de Salvação.

Por isso, jamais diga, seja em alto e bom tom seja no oculto de seu coração, que uma pessoa não tem jeito. Pois ela é tão pecadora quanto você e Deus, em Seu Poder, pode fazer por ele o mesmo que fez contigo! Não trata-se nem de acreditar nas pessoas, mas sim, em crer no poder transformador de nosso Deus e não desistir delas. Insista em dizer que Jesus quer transformar suas vidas. Graça e Paz!

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

 

Dia 11/11/2012:

O QUE RESPLANDECE? A FESTA OU VIRTUDE DE NOSSAS OBRAS?

O que resplandece? A festa ou a virtude de nossas obras? Hoje teremos um dia especial em nossa igreja! Teremos um grande almoço missionário com direito a churrasco (parece que teremos 3 churrasqueiras), farofa com carne, bem como vários tipos de sobremesa. E tudo isso com um preço módico, o de apenas R$ para os irmãos de nossa igreja.

Sem querer estragar a festa, da qual vou participar alegremente, fico a pensar em apenas uma coisa: é uma pena que precisemos motivar por meio de eventos pessoas a contribuírem para o avanço da obra missionária em nosso país. Será que a existência de multidões de viciados em crack nos grandes centros urbanos não nos motiva? Será que a idolatria tão comum em algumas regiões de nosso país não nos motiva? Será que o ocultismo crescente no Sul do Brasil não nos motiva? Será que saber que pessoas morrem aos montes sem Cristo não nos motiva?

O problema não é a festa ou o evento, mas saber que precisamos dele para motivar pessoas enquanto a tragédia da vida sem Cristo deveria ser a nossa maior motivação. Por isso nesta manhã, em Cristo, peço licença pra dizer-lhe com sinceridade: se você é parte desta família, a Primeira Igreja Batista em Santa Teresa, e se mesmo assim o seu alvo missionário resume-se a um prato promocional de comida, reconsidere enquanto é tempo. Pois esse alvo não veio de Deus! É apenas seu!

Entregue, em Cristo, seu alvo e diga: “assim resplandeça a vossa luz diante dos homens para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus”. Graça e Paz!

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia 16/09/2012:

NÃO HÁ EVANGELHO SEM RENÚNCIA!

A Graça barata pode até atrair multidões, mas o seu destino é enganoso. Vale lembrar a advertência do Senhor Jesus no capítulo 7, verso 13, do Evangelho de Mateus: “larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela”. O destino da Graça barata é a perdição, pois não resulta da verdadeira entrega ao Senhor Jesus, não é selada com o Novo Nascimento e nem exige qualquer renúncia daquele que a busca.

A Cruz, vazia, é verdade, é o mais impactante símbolo da fé cristã, pois aponta para a Missão. Primeiramente, aponta para a missão redentora de Jesus, ao oferecer-se em sacrifício, pagando um alto preço, na justa medida dos pecados de toda a humanidade, para a redenção de todo aquele que, arrependendo-se de seus pecados, reconhecer verdadeiramente o Senhorio de Jesus Cristo em sua vida. Esses são os nascidos de novo.

Mas também temos a nossa própria cruz, a qual todos devemos carregar: uma cruz cujo fardo é suave e de jugo leve, mas com uma missão bem definida por Aquele que nos comprou. Mateus 10:38-39 aponta: “e quem não toma a sua cruz e vem após mim não é digno de mim. Quem acha a sua vida perdê-la-á; quem, todavia, perde a vida por minha causa achá-la- á”.

O problema é que em nome do Amor de Deus estamos desobedecendo à Palavra e alargando as Portas do Evangelho para além dos limites do reconhecimento do senhorio de Cristo.

Não há cruz sem obediência e não há obediência sem renúncia. O evangelho exige essa renúncia: renúncia ao velho homem, renúncia ao pecado, renúncia ao controle de nossos passos. Tudo é entregue nas mãos de Jesus, que pagou um alto preço por nossa redenção. Ignorar isso é como comprar passagem buscando um destino e surpreender-se ao chegar noutro. Que nenhum de nós embarque nessa.

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia 02/09/2012:

O EVANGELHO E VOCÊ

Se eu tivesse de resumir em uma breve frase todas as mensagens a serem pregadas no mês de setembro esta frase seria o título de nossa pastoral: “O Evangelho e Você”.

Pegando o bonde nos ensinamentos de nosso Senhor Jesus ao nos advertir que toda a Lei e os Profetas decorrem dos dois grandes mandamentos (amar a Deus sobre todas as coisas, com toda a tua alma e com todo o teu entendimento e amar ao teu próximo como a ti mesmo), estaremos trabalhando esses dois grandes temas em nossos cultos por meio de duas séries de mensagens: “O Evangelho” e “Mutualidade”.

O Evangelho nos apresenta a boa notícia de que Deus abre à humanidade a única porta para a reconciliação com Deus, por meio do arrependimento e da entrega a Cristo. Essa entrega marca o novo nascimento e dá início a um processo que só terminará na Glória, onde reinaremos com Cristo.

A mutualidade nos leva a reciprocidade, ou seja, ao comprometimento com o outro, lapidando o nosso caráter e identidade para que um sistema divino de solidariedade social e de serviços mútuos nasça em nosso meio. Esse sistema tem o nome de Igreja. Os temas serão estes:

Dia 2 Manhã “Mutualidade: Edificando uns aos Outros”
Noite “O Evangelho do Arrependimento”

Dia 9 Manhã “Mutualidade: Orando uns pelos Outros”
Noite “O Evangelho do Novo Nascimento”

Dia 16 Manhã “Mutualidade: Cuidando uns dos Outros”
Noite “O Evangelho da Renúncia”

Dia 23 Manhã “Mutualidade: Suportando uns aos Outros”
Noite “O Evangelho da Santificação”

Dia 30 Manhã “Mutualidade: Amando uns aos Outros”
Noite “O Evangelho da Glorificação”

A partir destes dois grandes mandamentos, considerando esses dois temas, posso dizer também que tenho, em Cristo, duas grandes expectativas para este período: a de que Deus fale aos nossos corações e a de que nós sejamos obedientes a Sua Voz. Graça e Paz!

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia 05/08/2012:

COMODISMO SECULAR

 

 

 

O mundo caminha buscando novas tecnologias que visam dar mais praticidade às pessoas. Em curtos intervalos de tempos vemos novos produtos que podem acelerar a produção, a comunicação, o transporte sendo lançados. Criamos uma sociedade preguiçosa que pode ter tudo a sua mão, sem sair de casa. Uma sociedade que não quer parar pra pensar, mas sim ter entretenimento, como disse John Stott há mais de uma década.

As pessoas continuam em suas rotinas, mas não querem pensar. Não precisam refletir já que tudo é relativo e prático. É muito mais fácil relativizar algo do que defender seu ponto de vista. Correr atrás de fatos e argumentos que comprovem sua fé – seja em qual âmbito for. Falando nisso, é muito mais fácil não ter um parâmetro moral do que sentir as consequências de uma vida com parâmetros.

É por isso que gosto de ser cristão. Apesar do mundo dizer que não há evidências, apesar da minha própria natureza me levar a negar a existência de Deus, Seu Espírito me guia às suas verdades. E mais, me leva a ter prazer na vida e a não mais “esperar a morte chegar”, mas correr para a Vida.

Jesus me levantou daquele ostracismo e me deu vida. Eu não quero viver acomodado como vivem as pessoas. Preciso crescer, aprender, conhecer, produzir. Crescer como cristão, aprender a Sua Palavra, conhecer a Deus e pregar aquilo que creio. Temos tanta coisa pra fazer! Quão maravilhoso é saber que Ele tem um propósito pra todas as coisas e que não levantamos de manhã por acaso ou pra cumprir uma rotina.

Não devemos cair no ritmo desse mundo e nos acomodarmos em nossos sofás e esquecermo-nos do propósito de Deus. Só o Evangelho trás esperança para a vida. Não perca os olhos dela. Se o mundo te induz à sensação de que nada tem sentido, olhe pra Cristo e descubra o verdadeiro sentido da vida!

Seminarista André Jardim F. de Souza

Dia 29/07/2012:

HÁ SEMPRE ALGO A SER FEITO! E NUNCA ESTAMOS SÓS!

 

“E,ao seu lado, repararam os tecoítas; porém os seus nobres não meteram o seu pescoço ao serviço de seu senhor. (…) Depois, repararam os tecoítas outra porção, defronte da torre grande e alta e até ao Muro de Ofel” (Neemias 3:5,27)

 

 

A Palavra de Deus é um verdadeiro tesouro para o crente. É maravilhoso quando nos vemos surpreendidos por seus ensinamentos e esta semana isso aconteceu comigo quando estava lendo o texto acima referido em minha devocional diária.

Ao contrário do que imaginamos a grande obra empreendida por Neemias não era nada vistosa: muros destruídos, portões queimados, moradias destruídas, o povo de Deus, expropriado, vivendo de forma miserável. Diante dessa situação, alguém é levantado por Deus e inicia uma obra cuja grandeza não é aparente, pelo menos no início. Mais parecia um dos muitos projetos de melhoria em comunidades carentes que temos hoje. Muitos não acreditavam no “Favela-bairro” que Neemias queria implantar em Jerusalém. Naquele projeto “formiguinha” cada um tinha uma pequena responsabilidade, uma peque porção do muro a reconstruir.

O que me entristece nesse texto é perceber que justamente quem mais podia ajudar é que não se compromete como deveria, no caso, os “nobres” da família dos tecoítas. Esses, em nossos dias, são aqueles que apontam os problemas, que se mantém distantes, que não querem se envolver, sempre fartos de justificativas. São os que “não metem o pescoço no serviço do Senhor”.

 

Meu objetivo não é refletir sobre as suas razões, que em regra são sempre egoístas e apontam para seus próprios interesses, para suas perspectivas, para a sua visão de mundo. Quero lembrar-lhe que sobre toda a obra de construção ou de reconstrução nascida no coração de Deus está a Sua mão! Com o Seu Poder Ele fortalece e capacita os que se lançam ao trabalho. Os tecoítas não possuíam muitos recursos para a construção do muro, pois os mais capazes ou abastados fugiram de suas responsabilidades, mas o seu maior recurso veio dos céus por meio da farta e ilimitada provisão divina.

E sendo obedientes ao chamado do Senhor eles prosperaram e prosperaram a ponto de fazerem mais do que o que deles se esperava. O texto continua dizendo eles construíram também outra parte do muro, pois “Aquele que começou a boa obra” mais uma vez foi Fiel.

E você? Quando Deus chamar Seu povo à obra, de que lado estará? Do lado dos tecoítas ou do lado de seus nobres? Qualquer que seja a sua decisão a obra continuará e saiba que você corre o risco de ficar para trás. E o Senhor continuará com aqueles que estão caminhando. Estar com Ele é a maior recompensa de participar dessa obra.

 

Paz! Pr. Marcelo Alves Moraes

Dia 17/06/2012:

 

MAIS UM ANO!

 

“…Aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao dia de Cristo Jesus.” Filipenses 1.6

Nesta semana comemoramos mais um aniversário: 12 anos! É interessante notar que depois de uma certa idade, tendemos a dar menor importância a passagem dos anos. Por isso, aparentemente, não faz tanta diferença se são onze, doze ou treze anos. Mas faz! Cada dia, cada passo, cada experiência são presentes de Deus. Essa a idéia contida no início da carta de Paulo aos filipenses, pois o apóstolo volta suas atenções tanto para a história da igreja quanto para o impacto causado pelos filipenses em sua própria vida. Observe o que é dito nos versos 4-5:

 

“Fazendo sempre com alegria oração por vós em todas as minhas súplicas, Pela vossa cooperação no evangelho desde o primeiro dia até agora”.

 

Quero fazer o mesmo no dia de hoje! Quero agradecer a Deus pela cooperação desta igreja para o progresso na mensagem de salvação. Afinal, não foram poucas as pessoas que passaram por estas portas nesses anos: vidas tocadas, compromissos firmados, redenção, regeneração e santificação. Essa é a obra de Cristo. Mas também quero agradecer pela cooperação dos irmãos e esse agradecimento leva em consideração muito além de programações ou projetos de interesse da PIBST. Esse agradecimento lembra momentos de convivência, boas risadas, algumas lágrimas, vínculos profundos de amizade e companheirismo e diversos momentos nos quais irmãos queridos cantaram com suas próprias vidas o seguinte cântico:

Ame ao seu próximo como se fosse você.
Como se a dor que ele sente Fosse a que sente você

Ame ao seu próximo como se fosse você
Como se a dor que ele sente Doesse mais em você!
Por isso, mais um aniversário dentre doze anos ensina que Cristo foi glorificado em nossas vidas, ou melhor: Que Cristo continua sendo glorificado desde o início e continuará até o final! Louvado seja o Senhor!

 

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia 27/05/2012:

 

A FONTE NÃO SECOU

 

A FONTE NÃO SECOU Sim, eu acreditei que alterar a voz adiantaria. Cri que dominar a língua, a história era o suficiente. Pensei que ter uma forte teologia era o fim de uma pregação vazia. Porém, eu estava errado. Nenhuma dessas vertentes é a fonte da pregação. Nada humano pode tocar no espírito das pessoas
Lendo Jeremias 17 despretensiosamente acabei percebendo: “Bendito é o homem cuja confiança está no Senhor, cuja confiança nele está. Ele será como uma árvore plantada junto às águas e que estende as suas raízes para o ribeiro. Ela não temerá quando chegar o calor, porque as suas folhas estão sempre verdes; não ficará ansiosa no ano da seca nem deixará de dar fruto” (v. 7 e 8).
Tentei encontrar motivos porque a inspiração não vinha. Argumentei: “estou muito atarefado”, mas o texto diz “não ficará ansiosa no ano da seca nem deixará de dar fruto”. Podem ser muitos problemas e muitas tarefas, mas o homem que põe a sua confiança no Senhor não deixa de dar frutos.
Este texto também fala de uma maldição. “Maldito é o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se afasta do Senhor. Ele será como um arbusto no deserto; não verá quando vier algum bem. Habitará nos lugares áridos do deserto, numa terra salgada onde não vive ninguém. Jeremias 17:5-6”
Nas comparações que o profeta faz a única diferença entre o maldito e o bendito é a proximidade de uma fonte que jorre. A única diferença entre o cristão e o não cristão é a proximidade do Deus que é dono da vida! Entre conhecimentos e argumentos somos os mesmos, mas a presença de Deus é que faz toda a diferença.
Hernandes Dias Lopes cita E. M. Bounds em uma das abas de seu livro “De: Pastor A: Pastor”: “O que a igreja precisa hoje não é de mais ou melhores mecanismos, nem de nova organização ou mais e novos métodos. A igreja precisa de homens a quem o Espírito Santo possa usar, homens de oração, homens poderosos em oração. O Espírito Santo não flui através de métodos, mas através de homens. Ele não vem sobre mecanismos, mas sobre homens. Ele não unge planos, mas homens, homens de oração!”
Descobri então que a fonte não havia secado! Eu apenas buscava numa terra árida que não emana vida. Todos os instrumentos são importantes e maravilhosos, mas se quer exalar vida, necessariamente, aproxime-se da fonte da vida! A diferença que podemos fazer é proporcional à diferença que Cristo faz em nossas vidas.

 

Seminarista André Jardim F. de Souza

 

 

 

Dia 15/04/2012:

 

INDO MAIS FUNDO NA VIDA DE ORAÇÃO!

 

E, adiantando-se um pouco, prostrou-se em terra; e orava para que, se possível, lhe fosse poupada aquela hora. – Marcos 14:35

 

Alguns cristãos ficam satisfeitos em ter apenas um relacionamento superficial com Cristo. Outros desejam passar os momentos mais santos com Ele.

Na noite em que Jesus passou orando no jardim do Getsêmani, pessoas reagiram a Ele de manerias diferentes. Havia aqueles que estavam tão alheios a Jesus que nem sequer sabiam que Ele estava no jardim. Também tinha Judas, que sabia onde Jesus estava, mas que estava ocupado demais com seus próprios planos e não se uniu a Ele.

O resto dos discípulos juntou-se a Jesus no jardim, mas eles foram distraídos pelo sono. Jesus falou a eles sobre a urgência daquela hora, mas eles não compreenderam. Havia o círculo mais íntimo de discípulos, Pedro, Tiago e João. No início eles oraram com Jesus. Mas eles ainda não alcançaram o significado daquele momento.

Por fim, Jesus orou sozinho. Ele foi além dos seus discípulos e orou por mais tempo. No momento de maior intercessão na história da humanidade, não havia ninguém disposto a ficar com Jesus e vigiar com Ele.

Ao longo da história Deus tem procurado por aqueles que desejam deixar tudo de lado e submeter-se a Ele e ao Seu desejo de redimir o mundo. Algumas vezes Deus ficou impressionado por não haver ninguém disposto a acompanhá-lo (Is 63:5; 59:16). Os profetas pareciam discernir mais do que as pessoas comuns, pois enquanto a sociedade continuava sua vida como se não houvesse nada de errado, os profetas agonizavam e choravam por causa daquilo que eles sabiam que Deus estava para fazer.

Deus está lhe chamando para ir mais fundo na sua vida de oração com Ele. Se você tem interesse em ser o tipo de pessoa que Jesus pode levar com Ele nos momentos mais sagrados, você terá experiências que só os anjos tiveram com Jesus no jardim naquela noite.

 

Henry Blackaby, extraído do site “Iluminalma.com”

 

Dia 01/04/2012:

 

UMA IGREJA ACOLHEDORA!

 

“… acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo nos acolheu para a glória de Deus”. Rm 15:7

 

Investi algum tempo de minha manhã para tentar definir o que seria uma igreja acolhedora. E a despeito de existir até mesmo um livro inteiro dedicado a esse tema, foi de um blog que eu tirei a idéia que mais tocou o meu coração e que me auxiliou a formular a minha própria definição: Uma igreja acolhedora é uma comunidade que caminha com Cristo sem deixar ninguém de fora!

Não é à toa que o Novo Testamento foi recheado pelo Espírito Santo de ilustrações de cunho coletivo para se referirem à igreja: o corpo, com seus membros; a árvore, com seus ramos; o edifício, com seus andares, e por aí vai …

Essa concepção bíblica da Igreja entra em choque com uma visão cada vez mais individualista de mundo que tentam nos impor e nos podemos nos deixar levar pelo “espírito deste século”. O que os partidários do “isso é problema meu!” não contabilizam é o número cada vez maior de pessoas infelizes e solitárias.

A forma como me relaciono é um indicador de meu próprio bem-estar e de meu compromisso com o corpo local de Cristo. João já nos ensinou isso: “Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também a seu irmão”.

Comunhão é muito mais que os nossos apertos de mão e cumprimentos desejando a “Paz do Senhor” no final dos cultos. É mais que nossos cumprimentos no início de nossos cultos. A verdadeira comunhão exige que compartilhemos a vida que o Senhor tem nos dado, com todas as suas emoções, experiências, tempo e recursos.

É um multiplicar, que começa com um difícil processo de dividir e repartir, o bem e o mal que vivenciamos, substituindo o pronome “meu” por “nosso”. Pode não ser tão simples assim, mas vale à pena e o Senhor te convida a isso.

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

 

Dia 25/03/2012:

 

A Páscoa está chegando….

 

PRÍNCIPE DA PÁSCOA, PRÍNCIPE DA PAZ!

 

Embora sua vida e mensagem sejam de paz, a violência o atingiu.

Embora ele ofereça conforto e acolhimento, a tortura o alcançou.

Embora ele proponha vida, vida plena, vida eterna, vida de paz, ainda assim foi morto, de maneira violenta e perversa, quando contava apenas 33 anos de idade.

Apesar de todo seu sofrimento, agressão física, escárnio moral, contudo, ele não desistiu de amar, de viver pela paz, de perdoar seus malfeitores, de acolher generosamente e oferecer salvação integral a todas as pessoas.

Seu nome? Todos já ouviram falar, mas nem todos o conhecem.

Sua mensagem? Muitos já leram ou a ouviram, mas raros são os que praticam seus ensinos.

Seu caráter? Todos admiram, mas poucos se dispõem a imitá-lo.

 

ELE É JESUS DE NAZARÉ, O PRÍNCIPE DA PAZ-COA!

Como precisamos hoje seguir seu exemplo, principalmente em função do contexto violento e desumano em que vivemos!

 

“Que nesta páscoa, ao recordarmos a magnífica história de Jesus, possamos ressuscitar em nós e viver em nosso mundo os ensinos e as práticas do filho de Deus”.

  1. Clemir Fernandes

 

Devemos meditar nas palavras do pr. Clemir pois a Páscoa está chegando e os ovos , o chocolate  já estão na mente, na boca e nos bolsos de todo mundo.vamos definir como propósito, o de controlar  nosso impulso consumista e assim  demonstrar o verdadeiro sentido e  significado da  Páscoa.

seu amigo,

pr.Jorge De Carvalho

Dia 11/03/2012

NO DESERTO DO ATACAMA

 

“Pois o seu poder alcançará os lugares mais distantes
do mundo. E Ele trará a paz.” (Miquéias 5.4b e 5)

 

Esta semana estive lendo na revista Visão Missionária, alguns testemunhos de servos do Senhor que estão atuando em Missões Mundiais. E um deles falava da realidade das pessoas que vivem em pleno Deserto do Atacama, no Norte do Chile, considerado o mais seco do mundo.

Segundo os missionários que trabalham naquela região, na cidade de Antofagasta, muitos vão para lá em busca de trabalho e melhores condições econômicas, porque lá se encontram as maiores minas de cobre do mundo; mas eles “se  esquecem que estão num deserto” e o resultado disso são o alto índice de suicídio (o maior do país), depressão, consumo de drogas, prostituição e câncer.

Nossos missionários destacam que a depressão e o suicídio são comuns em todas as classes sociais e faixas etárias, em parte, devido ao clima. Segundo o relato deles há uma depressão sazonal que acontece principalmente no inverno: o céu fica coberto por uma névoa e muitas vezes não há sol; nessa época é costume aquelas  pessoas se vestirem com roupas negras, marrons ou  de outros tons escuros. Então, tudo isto, associado aos problemas do cotidiano, culmina em transtornos mentais levando muitos a darem fim à própria vida.

Trata-se de um lugar onde há também um sincretismo religioso misturando tradição e catolicismo que se mantém pela festa “La Tirana” – comemorada com várias danças, entre elas a Diablada (dança dos diabos), outros “bailes”, e também culto aos mortos – erguendo monumentos, praças e altares nas cidades e estradas, em homenagem aos mortos.

Diariamente, chegam lá muitos imigrantes de várias partes do mundo, e com eles, chegam as religiões e seitas – principalmente as orientais, que, camufladas por técnicas de relaxamento e terapias, tem ganhado grande força e invadido a mente e o coração de muitos.

Amados, este é o cenário desse deserto. Podemos dizer que, tal qual a secura daquele solo é a sequidão dos corações das pessoas que ali se encontram. Contudo, seja no ocidente ou oriente, desde um a outro pólo, existem vidas precisando da Paz que só Cristo dá. Por isso, precisamos, como diz a irmã Penha: “AMAR MISSÕES”. Não podemos nos omitir de nenhuma das formas de fazer missões!! Estamos orando?!! Estamos pregando?!! Estamos ofertando?!! E como diz o Pastor Raimundo: “Se dependesse de mim???”

Nesse mesmo testemunho é dito que, apesar do Atacama ser o deserto mais árido do mundo, ocasionalmente (entre 3,5 até 10 anos) se dá um fenômeno natural que achei explêndido: o fenômeno traz  chuvas fazendo desabrochar várias espécies de flores que formam um lindo tapete no meio do deserto. Quando li, me pus a imaginar… e a pensar: que coisa linda deve ser ver isto de perto.

Os missionários disseram que, assim como vêem este milagre de Deus na natureza, têm fé que os corações daquelas pessoas irão florescer e frutificar com o Evangelho que traz a paz. Eles estão  lá.

Mas… E quanto a nós?

Pergunte-se a si mesmo: COMO “o poder de Deus alcançará os lugares mais distantes do mundo”  SE DEPENDER DE MIM?

Deus nos abençoe, fazendo-nos ouvir Sua voz.

 

                                                                               Luziane Côvre

Dia 04/03/2012

AUSENCIA DO BONDE !!

 

Nesta segunda-feira dia 27/02 completou-se seis meses que nosso bairro tem experimentado o seu dia a dia sem o bonde – conhecido e famoso mundialmente, do qual, também nós, igreja em Santa Teresa sentimos falta.

Penso que se perguntarmos hoje à muitos moradores o que Santa Teresa está precisando, a maioria apresentará a necessidade do bonde, justificando de várias maneiras, como por exemplo: “porque é o transporte típico do bairro”; “porque é um meio de transporte mais barato”;  “é a graça do bairro”; “propicia uma maior circulação de turistas”; dentre outras razões que cada um possa elencar, e que, certamente são dignas de consideração.

Por outro lado, se essa indagação for feita apenas entre nós, igreja aqui estabelecida, responderemos com veemência que Santa Teresa precisa de Cristo. E isto é fato, ainda que o bairro não reconheça; diga-se de passagem, quem sabe você, que nesse momento está a fazer esta leitura?!! Se não reconheceu isto ainda em seu coração, pare por uns instantes e pense.

Estamos vivenciando em nossa igreja o momento da campanha de missões mundiais, e assim diz um trecho da música oficial:“o mundo precisa de vida, o mundo precisa de luz, o mundo precisa ser livre em Jesus.” O mundo inclui nossa cidade e nosso bairro, que vão perecendo com a ausência de vida, luz e libertação.

Somos, pois, levados nesse momento à uma  reflexão mais intensa sobre o que estamos dispostos a fazer hoje, por estes? Se já temos aquilo que de mais importante lhes falta, o que nos resta a fazer? E por que não o fazemos?

 

Para você, morador de Santa:

A ausência do bonde (caso fosse permanente)  poderia, de alguma maneira ser suprida, e você continuar vivendo sem maiores prejuízos.  Assim também, quando nos falta nesta vida tantas coisas de extrema importância e valor  inestimável, nos é possível, pela graça de Deus, superar e continuarmos a viver bem.

No entanto, a ausência de Cristo, permanecendo, traz grandes conseqüências, tanto para esta vida, quanto para a eternidade. Porém, a Sua Presença faz novas todas as coisas.

Ter Vida, Paz, Luz e Libertação, é somente possível por intermédio de Jesus.  Ele é a Verdade que liberta (João 8.32) e verdadeiramente nos dá Vida e Paz.

Deus te abençoe.

Luziane Côvre

 

Dia 12/02/2012:

ELES PRECISAM DE CRISTO, A PAZ QUE LIBERTA!

 

O Tema da Junta de Missões Mundiais deste ano fala sobre a paz que só há em Jesus Cristo, a Paz que liberta! Estamos vivendo em um período de guerras no Oriente Médio e de alguns tumultos no Leste Europeu. Muitos então se perguntam: quando teremos paz, quando seremos livres? Estas perguntas devem nos inquietar e nos motivar a dar uma resposta. Se temos a certeza de que conhecemos o Príncipe da Paz, o que estamos fazendo? Temos realmente experimentado a paz de Jesus de forma que os outros vejam em nós e tenham fome e sede em conhecer a Deus?

 

Quando fiz o curso de Formação Missionária tive a oportunidade de fazer um módulo de Capelania Prisional. Um dia visitamos a ala feminina de um presídio do Rio de Janeiro onde eram realizados cultos semanais. Quando lá chegamos fomos muito bem recebidos pelas irmãs presidiárias. Porém, o que mais me chamou atenção foi a expressão daquelas mulheres quando cantamos cânticos que falavam de paz e liberdade. Era visível em seus semblantes que elas tinham alegria e paz, mesmo estando encarceradas. Só Jesus, o Príncipe da Paz, é quem pode promover tal libertação e transformação. Sem falar nenhuma palavra aquelas irmãs podiam mostrar a paz ao mundo!

 

E nós, também estamos vivendo esta paz? Jesus disse: “Deixo-vos a paz…”(João 14:27)

 

Para anunciar a Paz que liberta precisamos vivê-la na certeza de que temos a promessa de Jesus. Em alguns momentos difíceis da minha vida também pude experimentar a promessa da paz. Quando eu era missionária no Norte da África fui presa e expulsa do país onde estava por causa da Palavra de Deus e do testemunho de Jesus. Antes de entrar no avião e ser deportada de volta para o Brasil eu fiquei numa cela onde só haviam homens, sob escolta de policiais. Mas, em todo o tempo, senti que o Príncipe da Paz estava comigo. Era algo sobrenatural a forma como eu reagi àquela situação e ainda pude estar calma e ser cordial com eles.

Em outra situação, mais recente, minha mãe ficou dois meses internada numa UTI e veio a falecer. Em meio a todo sofrimento, saudade e tristeza, senti a presença de Jesus dia após dia, noite após noite. E foi a Sua paz que me deu tranquilidade para continuar no campo missionário nesse tempo de perda.

 

A paz que Jesus dá é totalmente diferente da paz que o mundo oferece. Não quer dizer que não teremos problemas, tristezas, sofrimentos, decepções… No mundo tereis aflições. Mas tende bom ânimo! Eu venci o mundo!” (João 16:33)

 

E é a paz que excede todo o entendimento (Filipenses 4:7) que o mundo não entende e que precisamos anunciar! Será que nosso coração dói, chora, se entristece ao vermos as pessoas procurando a paz por caminhos errados? A proclamação da Paz que liberta depende de mim e de você. É o Espírito Santo quem nos capacita, quem mostra as oportunidades, quem coloca as palavras certas na hora certa na nossa boca, quem nos dá condições de ofertar e fazer com que outros vão até esses lugares difíceis. Só depende de nós estarmos ao dispor para o Seu trabalho.A Bíblia fala que uns semeiam, outros plantam e outros colhem. Só no céu saberemos os frutos desse trabalho, pois temos irmãos que oram pela proclamação da Paz, outros que contribuem e outros que vão. O nosso desejo é que o Espírito Santo toque nos corações, que as igrejas do Brasil sejam despertadas para que mais pessoas entreguem suas vidas para a proclamação da paz, até alcançarmos os lugares mais distantes do mundo.

Adriana Noeme, JMM, com adaptações

 

Dia 05/02/2012:

 PALAVRA PURA, A BÍBLIA

       

Na leitura da Bíblia, peço sua atenção para os seguintes cuidados:

  1. Leia primeiro a Bíblia; depois, compreenda-a — A primeira tarefa é simples: simplesmente leia a Bíblia. Compreender vem depois. Leia-a sempre. Leia-a muito. Leia-a sabendo que é inexaurível. Gaste tempo com ela. Quanto mais tempo gastar com ela, mais riqueza vai tirar dela.
  2. Leia a Bíblia sem pressa — Leia-a como se apreciasse a paisagem numa viagem. Imagine que você vá do Rio de Janeiro a Vitória de carro. Você pode gastar seis horas ou doze. Você pode chegar logo e saborear a cidade. Você pode ir devagar e saborear as lindas paisagens de parte dos estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo.
  3. Leia a Bíblia como tendo autoridade sobre você e não o contrário — Não imponha suas idéias a ela; deixe que Deus lhe imponha as idéias dele por meio da sua Palavra. Não leia a Bíblia para provar suas teses; leia a Bíblia para Deus mudar o seu coração. Leia a Bíblia para ela abrir, não para fechar, a sua mente.
  4. Leia a Bíblia com o desejo de conhecê-la — Leia a Bíblia para conhecê-la cada vez mais e de modo cada vez mais profundo. Não se contente com um conhecimento superficial a respeito do Deus revelado na Bíblia. Não se satisfaça com uma visão vaga do que a Bíblia diz.
  5. Leia a Bíblia, procurando responder a cinco perguntas bem claras:

. O que o texto diz?

. O que significa o que o texto diz?

. O que o texto me diz?

. O que o texto me diz é verdade?

. Que farei com que o texto me diz?

Desejo-lhe um BOM DIA.

 

Pr. Israel Belo de Azevedo, I.B. Itacuruçá

 

Dia: 22/01/2012

Comprometidos com a Obra de Cristo

 

Esta pastoral escrita em abril de 2006, nunca foi tão atual senão vejamos:

Vivemos a era da falta de compromisso. Penso que as pessoas na atualidade não se preocupam em desenvolver relacionamentos duradouros, estáveis, tanto assim que a juventude do século XXI,  desenvolveu a filosofia do “ficar”, isto é, não há preocupação com compromisso.

A televisão, a internet, veículos de comunicação de massa, através dos quais milhões de pessoas se relacionam, é uma prova desse descomprometimento.

Na televisão, as novelas, incentivam, de forma irresponsável,  o descomprometimento em todos os sentidos e o que mais tem chamado atenção é a falta de compromisso com a família.

Na internet a situação é muito mais grave   pois,  como os relacionamentos se dão no plano virtual a falta de compromisso é mais alarmante.

E quanto a igreja? Será que o comprometimento ainda existe? Estamos verdadeiramente comprometidos com a obra de Cristo? O comprometimento com a obra de Cristo e com sua igreja passa necessariamente por um envolvimento total com um  testemunho verdadeiro e  efetivo,  através do qual pessoas sem a experiência com Cristo  venham a experimentar a transformação de vida.  Como igreja, temos necessariamente que estar comprometidos com a obra de Cristo e estar comprometido implica em contribuir não só com as nossa ofertas e dízimos,  mas acima de tudo empregarmos nossas vidas na obra do Senhor.

Precisamos comparecer aos cultos, convidar visitantes, orar   estudar a Palavra do Senhor, só assim haverá crescimento espiritual.

Irmãos, vivemos num mundo onde satanás usa as mais diversas estratégias para nos afastar da obra, as facilidades e conforto como,  a televisão, a internet, o lazer,etc. tudo está a nossa disposição e nem sempre temos colocado a obra do Senhor no devido lugar, como prioridade, pois falta comprometimento.

Exorto você a refletir “como está o seu compromisso com a obra do Senhor?” Comprometamo-nos com a Obra de Cristo, O Senhor de nossas vidas!

seu amigo Pr Jorge De Carvalho


Dia: 15/01/2012

 

Lembra-Te de Mim …

E disse o ladrão: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso (Lucas 23:42-43)

Lembra-Te de mim …

… quando, em meio a uma vida de compromissos
ao Teu querer me fizer omisso;
… quando, em meio a pregação da Tua Palavra
da Tua voz eu me encontrar à distância;
… quando, no confronto com as paixões deste mundo
imerso entre elas eu me encontrar;
… quando, em meio ao convívio com a família da fé
carecendo de um ombro amigo eu estiver;
… quando, em meio ao acolhimento de necessitados
desprovido e em escassez eu me encontrar;

Lembra-Te de mim …

… pois mesmo diante de minha omissão, distanciamento, paixão, solidão ou escassez é a fé na Cruz que me lembra que o Senhor jamais esquecerá de mim.

(Marcelo Alves Moraes – Dez/2004)

 

Quantos motivos você aponta para duvidar do amor que Deus tem por você? Será que além dos motivos presentes no poema acima, você poderia destacar outros?

Enquanto alimentamos em nossos corações as inúmeras acusações do inimigo de nossas almas, há muito tempo atrás, na plenitude dos tempos, num dia que marcaria para sempre a história da humanidade, o ladrão na cruz experimentou a mais importante, impactante e transformadora das verdades. O amor de Deus por nós é pleno e incondicional.

Ao invés de encher-se de razões para continuar distante de Deus, aguardando com amargura aquela que seria a sua hora derradeira, ele olha para Jesus e pede: Lembra-Te de mim …

E Jesus ao ouvir tal pedido, o que fez?

ELE LEMBROU!!!
Paz de nosso Senhor Jesus!

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia: 08/01/2012

QUE TAL LER A BÍBLIA TODA?

           

“Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração”. Hebreus 4:12

 

Que tal um desafio? Topa? Você sabia que se ler 3 capítulos da bíblia durante a semana e 4 nos finais de semana terá lido toda a bíblia no final do ano? E mais: durante a semana você ainda poderá ficar sem ler um versículo sequer em 33 dias do ano. Poderá tirar até dias de folga!

Nós, cristãos protestantes, nascidos após a reforma, afirmamos e reafirmamos que nossas crenças estão firmadas na Bíblia Sagrada, que nos aponta o caminho da salvação pela fé no Senhor Jesus Cristo. Mas nossas palavras não têm sido ratificadas pelo nosso viver. São cada vez mais comuns os exemplos de crentes em Jesus, membros de igrejas evangélicas, que completam 5, 10, 20 anos de conversão sem nunca ter lido a Bíblia.

Será que você faz parte dessa multidão?

Se quisermos ter uma fé inabalável, saibamos que a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus. Essa Palavra pode não se encontrar na boca de alguns pregadores, mas sempre estará contida na Bíblia, aguardando que o filho de Deus chegue-se a ela, para ouvir sua voz.

Se quisermos conhecer a vontade de Deus, saibamos que por meio da Bíblia as luzes de nosso discernimento se acendem na estrada de nossa peregrinação e placas de advertência são postas para que não nos percamos em desvios.

Se quisermos que Deus nos molde, transforme, melhore e capacite, saibamos que ela não é apenas viva, é eficaz para isso.

Se quisermos desfrutar de promessas, viver de forma abundante, colher frutos, etc., saibamos que o ponto de partida é sempre Deus, que se revela na Sua Palavra, por meio de quem todas as outras coisas são acrescentadas.

Dadas as razões, renovo o desafio: Que tal ler a Bíblia toda? E nem te desafiei a lê-la em 1 ano!

Paz de nosso Senhor Jesus!

Pr. Marcelo Alves Moraes

 

Dia: 01/01/2012

 

O Que Esperar de 2012?

Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Com grande zelo estou zelando por Jerusalém e por Sião (Zacarias 1:14)

O que dizer de 2011? Talvez neste momento devemos dizer simplesmente que o ano já acabou! Não podemos voltar atrás e vivê-lo novamente. Se cometemos alguns erros, que deles retiremos lições e tentemos não repeti-los. Se tivemos acertos, que os guardemos em nossos corações, mas sabendo que acertos passados não são garantia de sucessos futuros. O que passou, bom ou mal, passou e não voltará jamais. E Deus seja louvado pelo que vivemos!!!

Mas e 2012? O que esperar de mais esse novo ano? (afinal, no meu caso já foram 36!) . Todo o início, seja ele qual for, é marcado por expectativas. Por isso, gostaria de dizer-lhe que suas expectativas, sejam elas quais forem, devem estar alicerçadas na convicção de que Deus zela pela sua vida. Foi isso que Ele disse ao povo de Israel há quase 2.600 anos atrás. Era um período de exílio e de submissão daquela nação a um império estrangeiro. Era um tempo em que os erros passados eram remoídos nos corações de uma multidão sofrida e abalada com um destino que parecia ser tão trágico àqueles que antes eram considerados “a menina dos olhos de Deus”.

E quem nunca se viu assim, aprisionado pelas próprias culpas e ressentimentos? Então Deus se revela e simplesmente diz: “Com grande zelo estou zelando por vocês!

Essa é a expectativa, essa é a convicção, que devemos agasalhar em nossos corações para apoiar nossas experiências no ano que se inicia. Deus está cuidando de nós, Deus nos ama e a Sua presença em nossas vidas dará sentido à nossa existência.

Os caminhos a serem trilhados nos serão mostrados durante a caminhada. Dos desvios, seremos protegidos se nosso coração estiver Nele. Nas barreiras, estaremos bem acompanhados por Aquele que é mestre em fazer pontes! A Graça de Deus nos garante tudo isso. Tenha um feliz 2012 e conte comigo, Paz de nosso Senhor Jesus!

Pr. Marcelo Alves Moraes

16/01/2011:

Texto: Gênesis 4.26

 

NOTAS INTRODUTÓRIAS

Por constituir-se em uma narrativa poética, e inspirada, de toda a Criação e dos primórdios da vida humana, os primeiros 11 capítulos do livro de Gênesis devem ser lidos com um olhar atento aos grandes conceitos que norteiam o racionamento entre Deus e o Homem, entre o Criador e suas criaturas, entre Deus Pai e nós, que por meio de Jesus Cristo somos seus filhos.

Fazendo um “a parte” toda a vez que penso em oração, penso nas palavras contidas no 1º capítulo de Tiago, nos versos 17 e 18:

Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança.

Pois, segundo o seu querer, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como que primícias das suas criaturas.

Deus, pelo seu querer, nos gerou pela palavra da verdade para que orássemos. Para que fôssemos como o mais destacável de suas criaturas exatamente pelo propósito que carregamos conosco: O DE NOS RELACIONARMOS COM DEUS!!!

O texto de Gênesis, nos traz a primeira idéia cultual de oração que encontramos na Bíblia. Se a conta dos anos está correta, o que é totalmente desnecessário (para não dizer irrelevante), estamos a cerca de 230 anos de Adão. É certo que o ser humano, que possui um vazio do tamanho de Deus em seu coração, já orava antes. Mas está é a primeira referência de caráter nitidamente cultual: “invocar o nome do Senhor”.

Existem detalhes no texto que nos ajudam preciosamente acerca desta necessidade com a qual todos fomos criados: a necessidade de orar.

 

I – Deus se identifica para que saibamos a quem devemos adorar

 

O nome que passou a ser invocado é naquele tempo e que mereceu o registro nas sagradas escrituras foi o de Iahweh, o nome sagrado que o Deus Todo-Poderoso que se revelou em diversos momentos na história reservou para si.

Trata-se do nome que Deus se deu a si mesmo, seu nome próprio, revelado ao próprio Moisés, muitos séculos mais tarde, conforme lemos em Êxodo 6.2-3:

Falou mais Deus a Moisés e lhe disse: Eu sou o SENHOR.

Apareci a Abraão, a Isaque e a Jacó como Deus Todo-Poderoso; mas pelo meu nome, O SENHOR, não lhes fui conhecido.

Alguns detalhes precisam ser melhor explicados, pois como um nome que só foi conhecido por meio de Moisés começou a ser invocado muito, mas muito tempo antes, por meio da linhagem de Sete, nos primórdios das civilizações?

Ocorre que, segundo dizem os estudiosos, tudo o que ocorreu, que foi oralmente passado de geração em geração, por meio de histórias e músicas, até que Moisés inspirado por Deus registra a revelação de Iahweh

Independentemente da tradução errada nas bíblias mais antigas, que traziam Jeová no lugar de Iahweh, quando Deus se identifica o que o seu nome traz à tona são os atributos de Deus, em especial a Sua Eternidade. É o chamado “tetragrama sagrado”, oriundo de uma língua que, à época, não tinha vogais.

Em síntese, no verso 26, do capítulo 4, de Gênesis, temos o cumprimento do mandamento de Deus dado a Moisés, em Ex. 3:15:

O SENHOR, o Deus dos seus antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me enviou a vocês. Este é o seu nome para sempre, e assim ele será lembrado por vocês em todos os tempos.”

Qual é a importância desse nome? É a contida nos atributos por ele revelados. EU SOU O QUE SOU, ou, EU SOU. Deus era, continua sendo, e sempre será. Nós passaremos, Deus continuará.

Esse foi o Deus que Paulo apresentou no Aerópago, em Atos 17. Esse foi o Deus que Jesus nos apresentou ao dizer que havia um só Caminho, uma só Verdade, uma só vida. Ouve ó Israel, o Senhor Deus é o único Senhor. Que a Igreja também ouça o mesmo conselho.

Quando nos deparamos com a Palavra de Deus e percebemos que a oração é uma prática que remonta os primórdios da humanidade, como igreja não podemos deixar de destacar que a verdadeira oração é aquela direcionada ao Deus Criador dos Céus e da Terra, por meio do único caminho possível até Deus: Jesus Cristo!

Identificar, saber quem adoramos, a quem nos dirigimos em oração é se identificar como adepto, como servo, como filho do Senhor. É bem mais do que pedir:

É reconhecer o poder do único que pode dar, é confiar Nele, é honrar e agradecer por suas respostas. Por isso, oramos com palavras, e também com corações e vida. Oramos com ações. Deus se revela para que a oração consolide uma relação.

Se dirigir a Deus, é abrir mão de se dirigir a qualquer outro. É admitir que colocar outro no Seu lugar é pecado. É idolatria.

 

II – Quando oramos, chamamos Deus para perto de nós

 

O texto nos ensina que quando nasceu um filho de Sete, Deus começa a ser invocado. Observe que invocar possui um sentido de intensidade muito maior do que chamar, do que se dirigir.

Invocar significa chamar sobre si, ou melhor ainda, chamar para si. O próprio nome de Sete possui um significado que aprofunda o nosso conhecimento acerca de Deus e de Seu Amor. Sete, em hebraico, significa “concedido”, “presenteado” ou “dado”. Foi um presente de Deus para Eva, um consolo pela morte de seu filho. Mas também foi presenteado com o privilégio de invocar o nome do Senhor.

Orar, se dirigir a Deus é, acima de tudo, uma dádiva, um privilégio, um presente que Deus nos concede. É a chance de preenchermos um vazio do tamanho de Deus existente em nossos corações.

Quando você ora, saiba que está preenchendo um vazio em sua vida.

Quando você ora, ora porque crê, porque sabe que Deus o ouve e dá boas coisas a seus filhos. Ora porque sabe que é prazeroso invocar a Deus, chamá-Lo para perto de si, sentir Sua doce presença. A descendência daqueles que buscam a Deus surge do reconhecimento dessa necessidade.

Reconheça que você precisa de Deus e as pessoas O verão ao seu lado. Nós oramos porque sabemos que Deus ouve e dá coisas boas ao seu povo. Oramos e recebemos: recebemos coisas boas da parte de Deus: saúde, discernimento, emprego, a vida enfim.

Eva estava fora do Éden, mas recebeu um presente de Deus. Que maravilhosa revelação de Sua graça de Deus.
Podemos ser pecadores, mas ele nos perdoa, nos ouve e nos socorre. O mérito não é nosso. É a bondade dele.

Não apenas Eva, séculos mais tarde, Deus chama Moisés e diz: É agoar! Libertarei o meu povo. Muitos séculos mais tarde, “um povo que andava em trevas viu uma grande luz!”. Era Jesus!

Hoje pode ser o momento de Deus te ouvir. Por isso não desista, ore!

 

III – Se Deus estiver por perto, jamais seremos os mesmos

 

O filho de Sete cujo nascimento marca a primeira menção cultual ao nosso Deus foi Enos. Este foi o filho que nasce como presente primeiro do culto ao Senhor!

Seu nome também diz muita coisa: “Enos” traz consigo o mesmo sentido de Adão, “homem”, enfatizando, porém, um aspecto do qual não poderemos jamais fugir: o da fragilidade humana!

Dessa forma, podemos dizer que Sete fez história: de início a linhagem, a uma descendência temente a Deus, com formação espiritual, e com sede de Deus.

Em lugar de Abel, da história de tristeza e dor, Deus deu Enos, e uma nova história foi contada. O temor e a busca seriam parte desta nova história. E esse é o alicerce sobre o qual deve estar fundamentada a nossa vida de oração: reconhecimento de nossa fragilidade e dependência de Deus. Por isso somos chamados a orar “em todo tempo”, e não apenas nos momentos de aflição.

Por isso, Deus nos chama a nos colocarmos sob sua direção, em reverência e temor. E nesta semana onde mais uma vez ficamos estarrecidos com a nossa fragilidade por conta de mais uma tragédia da natureza, devemos invocar a Deus e perguntar.

O que podemos fazer?

E que Deus revista a nossa fragilidade com o seu Poder, contando em nós a Sua história.

 
Paz, Marcelo Moraes

Pastoral – Setembro/2010

 

“O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor.” Lucas 4.18,19

A depressão, vazio da alma e outras definições são sensações que afetam todas as idades e classes sociais. A sociedade pós-moderna, mergulhada em sua melancolia, vê-se refém da indisposição, inclusive, para hábitos antes prazerosos. Essa frieza pela vida tem suas conseqüências. Parte delas são estampadas nas páginas de jornais e revistas, mas o que se prevê para as próximas décadas são efeitos cada vez mais alarmantes da falta de perspectiva de vida.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em estudo encomendado pela Federação Mundial para a Saúde Mental, estima-se que 121 milhões de pessoas (mais que a população do México, em termos comparativos) sofram com a depressão em todo o mundo. No Brasil, são 17 milhões que enfrentam a doença, nem sempre fácil de ser diagnosticada. Ainda segundo a OMS, 75% dos entrevistados no País nunca receberam um tratamento adequado.

A depressão não diagnosticada e, portanto, não tratada, abarca o suicídio. Pelo menos é o que afirmam especialistas: 70% dos suicídios ocorrem em decorrência de uma fase depressiva. Nos últimos anos, a taxa das pessoas que tiraram a própria vida aumentou 56,9%, sendo aproximadamente 2 mil o número de jovens que tentaram suicídio. Outras mazelas sociais, como o uso de drogas, seguem a lógica da infelicidade. Não são poucos os caso de pessoas que buscam satisfação nos entorpecentes. O Ministério da Saúde estima que existam hoje 600 mil usuários de crack e tenta, em medida desesperada, dobrar o número de leitos dos hospitais gerais a fim de receber dependentes químicos. A medida faz parte do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas, lançado em maio desse ano.

Os fatos revelam que o Brasil precisa encontrar a felicidade, mas sabemos que só há um caminho. Esse norte, que levará a Pátria aos mananciais de águas tranqüilas, precisa ser apresentado com urgência a fim de que cânticos de júbilos surjam nos lábios de nosso povo. POR UM BRASIL VERDADEIRAMENTE FELIZ  é mais que um tema de campanha. A frase lança um olhar sincero aos brasileiros e constata o clima de tensão em cada homem, mulher e criança. Ela também é o complemento de uma ação (faço isso por aquilo) e por isso não se sustenta sozinha. Não se sustentará sem antes nos engajarmos na missão, gerando atitudes que resultem em libertação, restauração e a chegada do ano aceitável do Senhor. Esse é o nosso desafio.

Você estará conosco?

 

Pastoral – Agosto/2010

DEUS PODE CONTAR COMIGO?

Porque a ardente expectação da criatura espera a manifestação dos filhos de Deus. Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou; na esperança que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. (Rm 8: 19-21)

Vivemos atualmente uma época efervescente, onde aquilo que adquirimos hoje será ultrapassado amanhã, pois haverá surgido um modelo novo, com novo designe e ferramentas mais modernas. Nunca, em toda história, o homem esteve tão absorvido com os excessos de tecnologia, mas, ao mesmo tempo estado tão distante do criador.

Talvez essa seja uma tentativa de substituir o maior e mais importante relacionamento da vida (o do homem com Deus) por tantos inventos; na verdade uma alternativa humana para preencher os grandes vazios de sua alma, que geme angustiada esperando sua redenção. O texto de Romanos 8: 19 a 22, fala que a criatura espera a manifestação dos filhos de Deus. Ela aguarda por cada um de nós que recebeu o poder para ser chamado filho de Deus (Jo 1:12). Manifestação significa revelação, expressão. Manifesta-se aquilo que está oculto e que precisa vir à luz; expressamos sozinhos ou publicamente.

Quando nos expressamos transmitimos não apenas palavras, mas atitudes e sentimentos. É o sentimento que revela a profundidade do amor de Deus. Só o seu sentimento de filho, o seu amor pelo Pai, pode mudar a história da criação. Desde que o pecado entrou no mundo, toda a criação geme oprimida debaixo de um jugo de escravidão que lhe foi imposta. A vaidade e a cobiça impõem uma condição opressora de vida, onde as pessoas valem pelo que fazem ou têm, e não pelo que são. Um império de medo, onde as pessoas temem a morte, a exposição, o dano, a perda e o prejuízo. Seres obcecados pela satisfação de suas necessidades, e que subsistem no desespero de sua sobrevivência. O príncipe deste mundo cegou o seu entendimento para que não lhes resplandeça a luz do evangelho.

Deus espera que seus filhos manifestem Sua glória e façam diferença em todos os lugares. Não precisamos ocupar cargos importantes ou funções de destaque para influenciar pessoas positivamente. O Evangelho não é uma religião morta, ”mas é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” (Rm 1: 16). Precisamos fazer diferença com o Evangelho vivo em nós. As nossas atitudes pautadas pela Palavra de Deus farão com que os outros se sintam atraídos por Jesus.

Nas Escrituras encontramos exemplos dignos de serem imitados. Pessoas de diversas classes sociais que fizeram a diferença. Cito a história da menina que era escrava na casa do general Naamã. Ela teria todas as desculpas possíveis para se revoltar com a sua situação, mas, ao invés disso, manifestou a sua luz num lugar onde havia escuridão. Os siros, numa das suas investidas, haviam levado presa, da terra de Israel, uma menina que ficou ao serviço da mulher de Naamã. Disse ela a sua senhora: Oxalá que o meu Senhor estivesse diante do profeta que está em Samaria! Pois este o curaria da sua lepra (2 Rs 5: 2, 3). Essa menina foi tirada do seio de sua família de forma violenta e levada para uma terra distante. Tornou-se escrava na casa de um general; uma autoridade importante já naquela época, mas que, por um infortúnio, havia se tornado doente de uma moléstia das mais estigmatizantes: a lepra. Mas o coração dessa menina tornou-se sensível à dor daquele homem, e ousou manifestar-se diante daquele povo estranho, declarando que havia um homem em sua terra que Deus usava com grande poder.  Poderia por vingança desejar a morte do seu inimigo, mas preferiu demonstrar compaixão.

Jesus Cristo disse: “Vós sois o sal da terra; mas se o sal se tornar insípido, com que se há de restaurar o sabor?” (Mt 5:13a). O sal possui funções importantes: dar sabor, conservar, combater fungos, etc. Precisamos, assim como o sal, dar sabor e provocar a sede das pessoas por Jesus. Será que elas gostariam de ser como nós? Qual é a reação que provoco nas pessoas?

Será que sou apenas mais um na multidão? Compartilhar a fé vai além de falar de bíblia o tempo todo. Ninguém agüenta mais discursos. As pessoas reparam em nossas atitudes frente aos problemas e enfermidades. Como posso pregar que Jesus salva e cura se estou sempre ansioso, doente e reclamando da vida? Será que minha fé em Jesus é apenas ideológica?

Esses e outros questionamentos carecem de uma resposta reflexiva. Alguns cristãos estão tão acomodados a uma vida rotineira e ritualística que não percebem que Deus deseja muito mais para eles. O Senhor quer que pratiquem aquilo que Jesus deixou como modelo. Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas; porque eu vou para o Pai. (Jo 14: 12)

Por que muitos de nós esperamos que os pastores, os presbíteros, os missionários e outros irmãos de liderança obedeçam a esta determinação de Jesus? Em nenhum momento vemos O Senhor se referir aos ”formalmente” investidos de autoridade eclesiástica. A única condição apontada por Ele é: Crer.  Jesus está falando comigo e com você também.

Podemos ser pessoas simples diante da sociedade, ou até pessoas de destaque. Para Deus isso é o que menos importa. Ele quer ver em nós um referencial do Seu Reino onde quer que estejamos.

Outro exemplo de pessoas que tinham um bom testemunho diante do povo era o centurião Cornélio. Ele pertencia ao reino imperialista da época que oprimia a nação judaica. Poderia ser visto como inimigo do povo de Deus, mas, ao contrário, era visto como um homem justo. E, descendo Pedro para junto dos varões que lhe foram enviados por Cornélio, disse: Sou eu a quem procurais; qual é a causa por que estás aqui? E eles disseram: Cornélio, o centurião, o varão justo e temente a Deus, e que tem bom testemunho de toda a nação dos judeus, foi avisado por um santo anjo para que te chamasse a sua casa e ouvisse as tuas palavras. (At 10: 21, 22) A vida desse centurião romano impactava àqueles que conviviam com ele. Ele fazia a diferença.

A ARDENTE EXPECTAÇÃO DA CRIATURA AGUARDA A MANIFESTAÇÃO DOS FILHOS DE DEUS. Somos a resposta de Deus para o mundo. Responda a si mesmo: Deus pode contar comigo?

Mônica Valentim (é pedagoga, com especialização em Orientação Educacional e Profissional; pós- graduadaem Psicomotricidade. Possui especialização em Modificabilidade Cognitiva PEI- Nível I, Jerusalém, Israel. Bacharelanda em Teologia.)

 

Pastoral – Julho/2010

Receita para uma igreja bem sucedida

Gabriel Andrada é jovem, seminarista, recém casado, e cheio de ideais. Evangélico desde o berço, diz que só se converteu de fato com 17 anos em um acampamento de carnaval. Desde a experiência de conversão, que o levou às lágrimas, participa de eventos evangelísticos de sua igreja. Agora se sente vocacionado para ser pastor. Ávido por ser “usado” por Deus, Gabriel matriculou-se em um pequeno instituto bíblico.

Gabriel me conheceu na internet e escreveu pedindo ajuda. Precisa que eu lhe ensine o “caminho das pedras” para começar uma igreja do zero. Pensei, pensei!  Sem conhecê-lo, sem saber exatamente aonde o noviço quer chegar, resolvi correr o risco de responder. Disse que para uma igreja ser bem sucedida no Brasil são necessários a combinação de pelo menos dois, de quatro ingredientes.

1) Um pastor carismático. Que tenha traquejo para falar em público com desenvoltura. Que cante afinado, ou que pelo menos comece os hinos no tom certo. Que tenha boa memória para decorar versículos e saiba citá-los sem tomar fôlego. Que seja simpático e bem humorado no trato pessoal.

2) Um bom prédio em uma boa localização. Que a igreja seja em um lugar de fácil acesso. Que tenha bom estacionamento. Que seja confortável, preferivelmente com cadeiras acolchoadas, climatizado com ar condicionado. Que os banheiros limpos não cheirem a creolina.

3) Acesso à mídia. Que a nova igreja tenha programa de rádio ou de televisão. Mas que a programação ressalte as qualidades especiais do líder como o apóstolo escolhido de Deus para os últimos dias. Que repita sem parar que a igreja é especial, diferente de todas as outras. É bom que o locutor fale em línguas estranhas (glossolalia) e profetize sobre detalhes da vida dos crentes. Que crie uma aura de “poder” pentecostal e curiosidade nas pessoas de comparecerem aos cultos.

4) Teologia da Prosperidade. Que o pastor não tenha escrúpulo de prometer milagre à granel. Que a maior parte do culto seja gasto colhendo testemunhos de gente que enricou com as campanhas dos sete dias, com os jejuns da conquista, com as rosas santas, com os cultos dos Gideões, com as maratonas de oração. Quanto mais relatos, melhor.

Ressalto. Gabriel não precisa se valer de todos os pontos para se tornar o novo fenômeno gospel brasileiro. Entretanto, sem o quarto ingrediente, ele não vai a lugar nenhum. Basta que combine qualquer um com o último e seguramente se tornará um forte concorrente nos disputadíssimo mercado gospel.

Entretanto, como vai concorrer com expoentes bem consolidados, terá que trabalhar muito. Talvez precise fazer o programa de rádio ou de televisão na madrugada.  No começo, para pagar o horário, terá que fazer merchandise de Ginka Biloba. Gabriel não deve ter receio de oferecer, por uma pequena oferta, lenço ungido, óleo sagrado ou água do rio Jordão. Se necessário, pode até vender cadernos escolares com a capa espiritual; tipo, um rapaz surfando e uma frase ao lado: “Cristo é ‘sur-ficiente’ para mim”.

Não sei se Gabriel entenderá a minha ironia. Caso leve os meus conselhos a sério, logo teremos uma nova igreja de nome bizarro. Contudo, quando estiver nos píncaros da glória, todos saberão que a trajetória de Gabriel Andrada não foi tão espiritual quanto se poderia supor.

 

“Há algo de podre no reino da Dinamarca” – Shakespeare.
Soli Deo Gloria.
Autor: Ricardo Gondim

Pastoral – Junho/2010

Dez anos na terra do bonde!!!

 

“Pois todas as coisas foram criadas por ele, e tudo existe por meio dele e para ele. Glória a Deus para sempre! Amém!” Rm 11.36

 

Esse mês, no dia 15, a nossa igreja, Primeira Igreja Batista em Santa Teresa, comemora o seu 10º aniversário. Glória a Deus! Sabemos que ainda há muito a ser feito. Por mais que trabalhemos ainda teremos muito trabalho pela frente. Mas não podemos deixar de relembrar algumas vitórias:

1 – Nesses dez anos, o Senhor nos inseriu na vida deste bairro. Não somos mais “o grupo de crentes que se reúnem no Casarão”. Somos “a Igreja Batista que fica no Largo dos Guimarães”. Todos sabem quem somos. Todos os domingos, temos pessoas visitando nossa igreja em busca de uma palavra de Deus e isso aumenta mais a nossa responsabilidade.

2 – Durante todo essa período crianças se tornaram jovens. Alguns jovens constituíram famílias. Outras famílias se fortaleceram e foram agraciadas com filhos herdados do Senhor. Adultos passaram a condição de anciãos, sendo dignos de respeito ainda maior. E por fim, alguns irmãos não estão mais conosco, e sim, na presença do Senhor. Partiram para a Glória, sendo recebidos por Cristo.

3 – Fomos materialmente abençoados! Deus nos deu um confortável salão para buscarmos a Sua presença. Sonhamos e recebemos! Sonhamos com uma bateria, com um sistema de som melhor, com o ar-condicionado, com o Data-Show, com um lugar melhor a cada ano para o nosso retiro de carnaval.

4 – Ouvimos a voz de Deus! Deus falou aos nossos corações incontáveis vezes. Recebeu em Seu altar nossas lágrimas, nossos pedidos de perdão, nossos agradecimentos. Deus tem endireitado os nossos caminhos em todos esses anos. Os nossos caminhos e os daqueles que ouvem o evangelho por meio de nós. Por isso, a família PIBST tem crescido, tem ficado cada vez mais bonita.

Ao nosso Deus devemos tudo o que temos e somos. A Ele seja toda a honra e glória por tudo que tem acontecido. É a Sua presença que tem feito desta igreja um instrumento de Deus para abençoar vidas. Eu pessoalmente, não consigo imaginar a minha vida sem a Primeira Igreja Batista em Santa Teresa e peço sinceramente que o Senhor me conceda a bênção de comemorar muitos outros aniversários com ela.

         Amém!
Marcelo Alves Moraes

 

Pastoral – Abril/2010

Vivo, de Max Lucado
 
 

Estrada. Escuridão. Estrelas. Sombras. Quatro. Sandálias. Mantos. Silêncio. Suspense. Bosque. Árvores. Sozinho. Perguntas. Angústia. “Pai!” Suor. Deus. Homem. Deus-Homem. Prostrado. Sangue. “NÃO!” “Sim.” Anjos. Consolo. Passos. Tochas. Vozes. Romanos. Surpresa. Espadas. Beijo. Confusão. Traição. Temor. Corra! Prisão. Punhos. Marcha. Pátio. Sacerdotes. Lampadas. Sinédrio. Caifás. Zombaria. Seda. Arrogancia. Barba. Conspiração. Pés descalços. Corda. Calma. Empurrões. Pontapés. Anás. Indignação. Messias? Julgamento. Nazareno. Confiante. Pergunta. Resposta. Soco! Pedro. “Eu?” Galo. Três vezes. Culpa.

Procedimentos. Corte. Rejeição. Processo. Cansado. Pálido. Testemunhas. Mentirosos. Inconsistentes. Silêncio. Olhares. “Blasfemador!” Ira. Espera. Ferido. Sujo. Fatigado. Guardas. Cuspidas. Venda nos olhos. Escárnio. Golpes. Fogo. Escurecer. Nascer do sol. Dourado. Jerusalém. Templo. Páscoa. Cordeiros. Cordeiro. Adoradores. Sacerdotes. Messias. Ouvir. Fraude. Prisioneiro. Espera. Ficar de pé. Mudança. Estratégia. “Pilatos!” Armadilha. Murmúrios. Saída.

Agitação. Parada. Multidão. Aumento. Romanos. Pilatos. Toga. Aborrecido. Nervoso. Oficiais. Túnicas. Espadas. Silêncio. “Acusação?” “Blasfêmia.” Indiferença. Ignora. (Mulher. Sonho.) Preocupação. Entrevista. Lábios. Dor. Determinado. “Rei?” “Céu.”‘Verdade.” “Verdade?” Sarcasmo. (Temor.) “Inocente!” Barulho. Vozes. “Galileu!” “Galileu?” “Herodes!” 9 da manhã. Pés em marcha. Palácio. Herodes. Raposa. Intrigante. Barrigudo. Coroa. Manto. Cetro. Saguão. Elegancia. Silêncio. Manipular. Inútil. Vexado. Insulto. Provocação. “Rei?’ Manto. Teatral. Cínico. Odioso. “Pilatos!”

Marcha. Vozerio. Prisioneiro. Silêncio. Pilatos. “Inocente!” Tumulto. “Barrabás!” Rebelião. Desespero. Cristo. Desnudar. Anéis. Parede. Costas. Chicote. Açoite. Castigo. Lágrima. Osso. Gemido. Carne. Ritmo. Silêncio. Chicote. Silêncio. Chicote. Silêncio. Chicote! Espinhos. Agudos. Cegueira. Riso. Motejo. Cetro. Bofetada. Governador. Perturbado (Quase). Olhos. Jesus. Decisão. Poder. Liberdade? Ameaças. Olhares. Gritos. Fraco. Bacia. Agua. Influenciados. Acordo. Sangue. Culpa. Soldados. Ladrões. Trave da cruz. Ombro. Pesada. Trave. Pesada. Sol. Cambalear. Declive. Casas. Lojas. Faces. Lamentadores. Murmúrios. Peregrinos. Tropeção. Pavimentação de pedras. Exausto. Sem fôlego. Simão. Patético. Gólgota.

Mas ele veio. Mesmo sabendo da angústia, ele veio. Mesmo conhecendo a dor, a vergonha, a humilhação, a falta de amor das pessoas, ele veio. Caveira. Calvário. Cruzes. Execução. Morte. Meio-dia. Lágrimas. Observadores. Gemidos. Vinho. Nu. Ferido. Inchado. Viga mestra. Sinal. Chão. Pregos. Batidas. Batidas. Batidas. Traspassado. Contorcido. Sede. Terrível. Graça. Debater-se. Levantado. Montado. Pendurado. Suspenso. Espasmos. Suspiros. Sarcasmo. Esponja. Lágrimas. Provocações. Perdão. Dados. Jogo. Escuridão.Absurdo. Morte. Vida. Dor. Paz. Condenação. Promessa. Nenhum lugar. Algum lugar. Ele. Nós. “Pai!” Ladrões. Paraíso. Lamentos. Choro. Atônito. “Mãe.” Compaixão. Escuridão. “Deus meu!” Medo. Bode expiatório. Deserto. Vinagre. “Pai.” Silêncio. Suspiro. Morte. Alívio. Terremoto. Cemitério. Túmulos. Corpos. Mistério. Cortina. Lança. Sangue. Água. Linho. Tumba. Medo. Espera. Desespero. Pedra. Maria. Correr. Talvez? Pedro. João. Crença. Elucidação. Verdade. Humanidade. Vivo. Vivo. Vivo!

 

Pastoral – Março/2010

Por Cristo vou até os confins da Terra! Será mesmo?
 

… rogai ao Senhor da Seara para que mande mais trabalhadores. (Mateus 9:38)

Proclamação é um imperativo e disso não temos dúvida! Mas até onde essa verdade alcança o nosso coração?  Estamos iniciando este mês a campanha de Missões Mundiais. O tema deste ano nos lembra a grande razão pelo qual nos envolvemos com a obra missionária. Essa motivação maior é o próprio Senhor Jesus Cristo.

A declaração de Paulo, em 1Co 9.23, nos motiva: “Faço tudo isto por causa do evangelho, para também ser participante dele”. Evangelho é, ao mesmo tempo, a mensagem e o conteúdo da nossa mensagem. Para nos, o evangelho é o próprio Senhor Jesus Cristo.

Lembremos que Missões é obediência à ordem de Jesus. Mas o que nos tira da inércia, é o sentimento de gratidão pelo que Jesus é e por tudo que Ele fez em nossas vidas.

O apóstolo Paulo fez a sua parte em seu tempo. E nós, o quanto podemos nos comprometer por amor a Cristo? Qual é a sua participação nessa história? Quando tantos entregam suas vidas por causas que não valem a pena, somos por Deus chamados a:

Por Cristo irmos até os confins da Terra!

Veremos até onde você está disposto a ir ao final da Campanha deste ano! Afinal, os missionários só vão até onde nós os enviamos. Esse limite depende de sua oferta.

Que Deus te abençoe!
Marcelo Moraes

Pastoral – Fevereiro/2010

 

Palavra do pastor: Olhe para cima!
 
Mas o justo viverá pela fé. (Hebreus 10:38)
 

Otimismo e fé são duas palavras que devem caminhar juntas. Afinal de contas, é com base nas promessas de Deus para as nossas vidas que nós declaramos que somos mais do que vencedores por Aquele que nos amou. E olha que quem nos amou foi nada menos que o nosso Deus, num amor concretizado na pessoa de Seu Filho Jesus Cristo – nosso Salvador! Glória a Deus.

É pela fé que alimentamos a convicção de que as nuvens se dissiparão e o sol voltará a brilhar na estrada de nossa vida. É pela fé que cantamos: “Não importa as circunstâncias, não, não, não! Olho para o Seu amor, não me guio por vistas … Alegre estou!”. É pela fé que desfrutamos das incontáveis bênçãos de Deus que recebemos e cantamos:“Conta as bênçãos, conta quantas são! Recebidas da divina mão. Uma a uma, dize-as de uma vez, e verás surpreso o quanto Deus já fez”. É com esse sentimento que devemos esperar a atuação de Deus em nossas vidas, em nossa Igreja.

É pela fé que vivemos … e agradecemos! Agradecemos por que Deus fará maravilhas em nossas vidas. Não há limites para a Sua atuação. Ele é Senhor de todas as coisas. Deus faz e sempre fará maravilhas!

Se você é daqueles que espera sempre pelo pior, levante a cabeça e peça a Deus que trabalhe em seu coração, pois:

 

A vida é um presente de Deus, e não uma punição!

 
Graça e Paz! Que Deus te abençoe!

Marcelo Moraes

 

Pastoral – Janeiro/2010

Deus tem coisas novas para você!
 

Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço uma coisa nova, agora sairá à luz; porventura não a percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo. (Is 43:18-19)

E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis. (Ap 21:5)

Ano Novo! Novos Projetos! Novos Sonhos! Essas são palavras que vêm a nossa mente nessa época do ano. E Deus se alegra com elas, pois Ele mesmo gosta de coisas novas. O Senhor é Criador, está em Sua natureza criar coisas, bem como transformar as antigas em novas.

Além disso, como um bom pai, Deus gosta de dar coisas boas para Seus filhos. E é precisamente nesse ponto que quero me deter: Deus quer trazer coisas novas para as nossas vidas, e coisas boas! Deus quer abrir um caminho no deserto de nossos corações, quer que seus rios fluam em nós. Creia nisso!

Mas para isso precisamos deixar que nossos sonhos e projetos sejam substituídos pelos que Ele tem preparado para cada um de nós. É tempo de buscar a Deus. Sabemos que esta atitude requer uma boa dose de renúncia, mas esteja certo de que valerá a pena, … e como valerá!

Lembre-se da melhor das novidades: “Se alguém está em Cristo, as coisas velhas já passaram, e eis que tudo se fez novo!”(IICo 5:17). Graça e Paz! Que Deus te abençoe!

Marcelo Moraes

 

Título Data Mensageiro Exibir
As Primeiras Orações de que se têm Notícias! 16/01/2011 Manhã Pr. Marcelo
Uma Gerra que mesmo Vencida exige atenção à Cada Batalha! 31/12/2010 Culto da Virada Pr. Marcelo
O que Deus espera de nós neste Natal? 26/12/2010 Noite Pr. Marcelo
A Paixão na Perspetiva de Deus 24/10/2010 Noite Pr. Marcelo
Disse Jesus: Eu Sou a Porta! 26/09/2010 Noite Pr. Marcelo
Vencendo o medo, exercitando o Amor, e vendo a Deus! 26/09/2010 Manhã Pr. Marcelo
Por um Brasil verdadeiramente Feliz 19/09/2010 Noite Pr. Marcelo
2010: Tempo de Encontrarmos com Deus 01/01/2010 Pr. Marcelo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *