HISTÓRIA DA PIBST

Nossa igreja é um projeto de Deus revelado ao Pr. Raimundo Pessoa dos Santos, quando este era membro da Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro.

Ouvindo a voz do Senhor, este servo compartilha tal projeto com alguns irmãos que residem no bairro de Santa Teresa, e dão início ao trabalho de expansão do reino de Deus através da realização de cultos e reuniões de oração em seus lares, eventos em praça pública com a presença de corais, além de visitas domiciliares.

Em março de 1997 os cultos e reuniões de oração começam a ser realizados em uma das salas de um conhecido casarão situado no cerne de Santa Teresa com uma área livre ao redor do mesmo, onde acontece a feira de artesanato do bairro. Foi, pois, neste local, instituída a Congregação Batista em Santa Teresa, a qual tão logo passou a ser perseguida por parte dos moradores; inclusive um artista já falecido, que lá esteve, e nos disse: “nós não temos nenhum interesse em ouvir o que vocês estão falando” – isto porque a localização da congregação no alto permitia ecoar os louvores e a mensagem pregada até uma certa distância; uma segunda vez o mesmo cidadão foi até nós levando um policial na tentativa de impedir o trabalho, argumentando, sem razão, sobre a lei do silêncio.

A Congregação começou a crescer e passamos a ocupar outras salas desse casarão para reuniões com crianças, adolescentes e jovens; mas sempre com muitas limitações em virtude do mesmo espaço ser utilizado para funcionamento da Sede da Federação dos Trabalhadores Cristãos do Rio de Janeiro e realização de alguns projetos sócio-culturais. Contudo, a fidelidade do Senhor era vista em todo o tempo, fazendo-nos resistir às muitas pressões e suprindo-nos com os recursos financeiros para quitar o absurdo valor do aluguel.

Em junho de 1998 foi realizada a primeira Escola Bíblica de Férias para crianças.Também realizamos nesse mesmo período, um projeto social missionário no Morro dos Prazeres e nas escolas do bairro com o apoio da PIB do Rio de Janeiro, da Junta de Ação Social da Convenção Batista Carioca e equipes de estudantes e profissionais da saúde de Nashiville, Tenessi, USA; projeto este que veio a repetir-se no Morro dos Prazeres por mais duas vezes até o ano 2001, configurando-se na abertura para uma interação mais direta com a comunidade. Nossa Congregação, aos poucos, se tornava mais conhecida e ia causando maior impacto no bairro, apesar de alguns nos denominarem como “um pequeno grupo de fanáticos”.

Aumentando o número de congregados, antes do ano 2000 já sentíamos enorme necessidade de termos nossa própria Sede, e vislumbrávamos também nossa consolidação em Igreja, com Estatuto e Regimento Interno próprios. Assim, orávamos incessantemente por tais objetivos, e saíamos pelo bairro à procura de um imóvel para que fosse efetivamente estabelecida aqui esta Casa do Senhor, depois de aproximadamente 115 anos sem a presença da denominação Batista no bairro.

Em meio à essa busca foram muitos os percalços; os recursos financeiros eram muito limitados, imóveis para aquisição eram uma raridade, e muita zombaria se fazia, do tipo: “igreja aqui não nasce” e “crente aqui não se cria”… Isto era o que se ouvia; mas tínhamos a convicção de que este projeto nascera primeiramente no coração de Deus, e como dissera Jô, “nenhum de Seus planos podem ser frustrados”. (Jó 42.1)

Na noite do dia 15 de junho de 2000, após exame da igreja por concílio, foi realizado o culto solene de organização da Primeira Igreja Batista em Santa Teresa, que contou com a participação de muitos irmãos de várias igrejas batistas cariocas e também da Igreja Batista de Nashiville – da qual fazia parte o Pastor Rus Roach, orador oficial daquela noite festiva. O Pastor Raimundo Pessoa dos Santos, responsável pela implantação desse trabalho, foi eleito o primeiro pastor da nova Igreja – a 408ª igreja da Convenção Batista Carioca, organizada com 65 membros.

Em dezembro do mesmo ano, pela graça de Deus, adquirimos um imóvel na Comunidade dos Prazeres onde estabelecemos um ponto de pregação, e posteriormente, a nossa primeira Congregação – local que já serviu de estágio para vários seminaristas e alunos do CIEM (Centro Integrado de Educação e Missões), dentre os quais podemos mencionar o Pastor José Vanderlei Alves da Silva e sua esposa Miriam Almeida Alves da Silva, que contribuíram tanto para o trabalho desta Congregação quanto para o avanço da igreja, especialmente na área infantil; e também o Pastor João Lavreca Filho, ordenado em nossa igreja em 25 de maio de 2002, e que, durante sua condição de seminarista, juntamente com a esposa e as três filhas que estudavam também nestas instituições de preparo a vocacionados, muito nos ajudaram, desenvolvendo ótimos projetos.

A partir do mês de agosto do ano 2002 deu-se início à obra de construção da nossa Sede, à Rua Almirante Alexandrino nº 400. Antecipadas pelas nossas súplicas e também por muito júbilo ao Senhor, começavam-se agora as escavações à aproximadamente 15 metros abaixo do nível da rua.

Nessa mesma época, solicitamos a Ordenação Pastoral do seminarista que conosco trabalhava, Marcelo Alves Moraes, com a possibilidade de ser realizada no dia 30 de novembro de 2002, na Igreja Batista em Córrego do Ouro – Macaé, da qual era membro. Tendo isto se concretizado, duas semanas após – em 14 de dezembro – o novel pastor toma posse em nossa igreja como Ministro Auxiliar, em culto solene com a presença daquela amada Igreja.

Estando ainda na fase inicial do projeto de edificação da obra, mudamos para nossa Sede no dia 1º de novembro de 2003, realizando com muito júbilo ao Senhor, na manhã do dia seguinte, o primeiro culto no terceiro subsolo; e tendo à noite, a alegria de ver mais dois novos irmãos descerem às “águas batismais”. O trabalho com as crianças, adolescentes e jovens, bem como os cultos com toda a igreja, aconteciam provisoriamente naquele espaço. Enquanto muitos desafios iam sendo vencidos, outros se despontavam, mas o Senhor sempre se mostrara fiel.

No início de 2004 os cultos passam a ser realizados no segundo subsolo, e já em setembro do mesmo ano, pela graça de Deus, passamos a cultuar ao Senhor no primeiro subsolo, quando com muita alegria também comemoramos os 50 anos de casados do nosso irmão e diácono Sílvio de Souza Maia. Neste piso permanecemos por um período maior. No entanto, os milagres continuavam acontecendo tanto na área da construção, quanto no âmbito da comunhão e edificação espiritual da Igreja, culminando no alcance de muitas almas para Cristo; pois, muitos foram os jovens, adultos, crianças e idosos, participantes da história inicial desta igreja, e que estão hoje em outros bairros, cidades, e alguns na glória com o nosso Deus, na cidade celestial.

Estabelecidos neste endereço, também não deixamos de ser perseguidos. A vizinhança sempre buscou fazer calar o som das marretas, da maquita e outras ferramentas… um morador dos fundos, várias vezes já fez ecoar bem alto o som de sua corneta enquanto cantávamos louvores a Deus; a nós, entretanto, cabe fazer como nos diz o salmista: “Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre as nações, serei exaltado sobre a terra.” (SL 46.10) sempre prosseguindo para o alvo, sem jamais esmorecer.

A partir do ano 2005 tínhamos, entre outros, o desafio da construção do telhado e do santuário – ao nível da rua. Ao final desse mesmo ano, em Assembléia do dia 04 de dezembro, é registrada a carta do Pr. Jorge Rodrigues de Carvalho aceitando o convite que lhe fora feito para estar ocupando em nossa igreja a função de Ministro Auxiliar ao pastorado, o que muito nos alegrou.

Com o seu incentivo e grande apoio, em 2006, começávamos a pensar na realização do primeiro retiro espiritual da igreja por ocasião dos dias de Carnaval. Foi o ano em que também fomos abençoados com a chegada dos irmãos vindos da Igreja Evangélica Batista em Marcílio Dias, os quais integraram nossa segunda Congregação, desta feita estabelecendo-se na Comunidade do Fallet, sob a liderança do Pastor Elias Vieira de Paula.

No ano 2007, foi então realizado nosso primeiro retiro de carnaval, no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, Tijuca, RJ, tendo sido uma experiência marcante na vida de muitos irmãos, como por exemplo, do nosso querido Airton Carlos da Silva, já na glória com o Senhor. Ao findarmos aquele ano tivemos a grande bênção de celebrar o Natal e fazermos a vigília da noite de 31 de dezembro sob o grande telhado, erguido em virtude de uma oferta financeira especial entregue por um irmão e amigo nosso da Igreja Batista Itacuruçá, e da oferta de mão de obra do nosso irmão Alcides Ferreira Amorim Filho. A mão do Senhor, mais uma vez, se movera de forma explêndida em nosso favor.

Assim, em março de 2008, no dia 15, realizamos em nosso santuário, o 1º casamento comunitário – denominado Projeto “Organizando Famílias”. Projeto este, em que durante seu percurso tivemos o privilégio de abençoar 11 casais do nosso bairro, ensinando-lhes sobre a família como instituição divina e digna de cuidados muito especiais. Ao final do ano seguinte, 2009, contando novamente com o grande apoio da esposa do Pr. Jorge, a irmã Luiza Maria de Souza Carvalho, é realizada a segunda edição desse projeto contemplando mais onze casais, os quais, para a cerimônia religiosa com efeito civil, desta vez foram divididos em dois grupos. E agora em 2011, estamos trabalhando em prol da realização da 3ª edição, abençoando e aproximando pessoas da comunidade, e também irmãos nossos, como nas edições anteriores.

A partir do ano 2009, os retiros espirituais por ocasião do carnaval passam a ser liderados por uma equipe composta de alguns jovens de nossa igreja, tendo sido realizados a cada ano, ininterruptamente, e de uma forma que muito tem abençoado a nossa igreja e alguns membros de outras, que conosco têm participado.

Temos à nossa frente, ainda, muitos desafios até o final dessa obra de construção do Santuário com suas dependências internas e externas, além de toda a mobília e equipamentos a serem adquiridos. Mas a cada dia somos gratos ao nosso Poderoso e Eterno Deus por aquilo que Ele tem feito na vida de nossa igreja durante estes 11 anos, muito especialmente no que diz respeito à salvação e edificação de vidas.

Louvamos ao nosso Deus, o Senhor dos Exércitos, que conosco sempre se fez presente nesta batalha operando grandes maravilhas, e que com certeza, assim também o fará daqui para frente e para todo o sempre.

Todas estas coisas estarão para sempre em nossa memória, e com muita convicção podemos todos dizer: “Grandes coisas fez o Senhor por nós, e por isso estamos alegres.” (Salmo 126.3)

 Min. Educação, Luziane A. Côvre – 2010

Voltar
Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *